Rui diz que prioridade é gerar empregos

Ao comentar ontem a isenção do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) nas vendas diretas de indústrias baianas para órgãos do Estado, o governador Rui Costa disse que o poder público de modo geral precisa se concentrar em tomar medidas que gerem empregos e que desonerem o custo de vida dos trabalhadores; "Eu entendo que a melhor forma de governar é dialogando com a sociedade para que possamos produzir sempre a melhor solução. É preciso, de forma ponderada, tomar medidas que gerem empregos", disse Rui

Rui Costa
Rui Costa (Foto: Romulo Faro)

Bahia 247 - Ao comentar ontem a isenção do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) nas vendas diretas de indústrias baianas para órgãos do Estado, o governador Rui Costa (PT) disse que o poder público de modo geral precisa se concentrar em tomar medidas que gerem empregos e que desonerem o custo de vida dos trabalhadores.

"Eu entendo que a melhor forma de governar é dialogando com a sociedade para que possamos produzir sempre a melhor solução. É preciso, de forma ponderada, tomar medidas que gerem empregos", afirmou Rui Costa.

Para o governador, o incentivo às indústrias do estado tem um importante reflexo, que, segundo ele, é a redução do desemprego. "Contamos que essas reduções localizadas e planejadas, em diálogo com os setores produtivos, redunde em melhoria de desempenho do setor e, portanto, da geração de empregos" disse o petista.

Questionado se estas e outras isenções em momento de crise econômica poderiam comprometer o desenvolvimento econômico do estado no médio e longo prazo, Rui Costa afirmou que "é preciso fazer com cautela para que a isenção seja compensada com o aumento do volume da atividade econômica, que também vai compensar a arrecadação".

Um dos objetivos do decreto é ampliar a competitividade do setor na concorrência com os produtos vindos de outros estados. No caso da isenção de ICMS nas vendas diretas de fabricantes locais para o Estado, o Sistema Integrado de Planejamento, Contabilidade e Finanças (Fiplan) registra uma movimentação anual superior a R$ 500 milhões em mercadorias e bens adquiridos pelos diversos órgãos da administração pública estadual, incluindo fundações e autarquias. Levantamento da Secretaria da Fazenda do Estado (Sefaz), em parceria com a Fieb, apontou que entre 25% e 30% deste mercado já poderia ser atendido imediatamente por indústrias locais.

Conheça a TV 247

Mais de Geral

Ao vivo na TV 247 Youtube 247