Rupert Murdoch no vácuo da F1

Magnata australiano da mdia busca scios para assumir o controle da elite do automobilismo mundial; dono da categoria, o ingls Bernie Ecclestone finge desinteresse no assunto, para valorizar seu peixe



247 – A Fórmula 1 é cortejada por um estranho no ninho, ou melhor, nos boxes e nas pistas. A News Corp, do magnata australiano da mídia Rupert Murdoch, está em busca de parceiros para tentar assumir o controle da principal categoria do automobilismo mundial, que desde a década passada integra o portfólio do fundo de investimentos CVC Partners. A aspirante a “piloto”, diga-se, tem inclinação para os esportes, acumulando em seu currículo investimentos na National Football League, principal liga de futebol americano dos Estados Unidos, na Premeier League da Ingaterra e no críquete indiano.

 

Murdoch já teria conversado a respeito com algumas equipes da F1 e também com o homem mais rico do planeta, o mexicano Carlos Slim, o rei das telecomunicações. Tudo indica que sua News Corp descarta a hipótese de colocar sozinha a mão no bolso, até porque a a concretização de sua oferta dependerá do valor gasto para assumir o controle do grupo TV British Sky Broadcasting. Se a rede britânica custar caro, a cobiça pelos Grandes Prêmios pode ser colocada de lado, para não assustar os acionistas.

 

Até o momento, não foi apresentada nenhuma proposta, mas o homem que administra a F1 em nome da CVC, o inglês Bernie Ecclestone, ex-proprietário da finada equipe Brabham, já tratou de valorizar seu “peixe”, sinalizando que, para fechar o negócio, o australiano e seu parceiros vão ter que gastar muito. “A modalidade não está à venda”, desdenhou ele, classificando como “lixo” as pretensões da News Corp.

 

A CVC é boa de negócio. Entre 2005 e 2006, procurou um por um os bancos que haviam assumido o controle da Fórmula 1, na condição de credores, após a falência do grupo alemão Kirch. Desembolsou 1,7 bilhão de euros, valor que foi considerado uma pechincha pelos analistas, até porque a categoria agora começa a se expandir seus horizontes entre as nações emergentes. Hoje, o negócio vale, no mínimo, uns 5 bilhões de euros.

O conhecimento liberta. Quero ser membro. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

Cortes 247

WhatsApp Facebook Twitter Email