HOME > Geral

Saiba o que é o Tribunal Penal Internacional e porque os Estados Unidos não fazem parte

O Brasil é signatário do Estatuto de Roma que estabeleceu e definiu as bases do TPI

(Foto: Reuters)

✅ Receba as notícias do Brasil 247 e da TV 247 no canal do Brasil 247 e na comunidade 247 no WhatsApp.

Ana Carolina Peliz, RFI - O presidente Luiz Inácio Lula da Silva disse, nesta segunda-feira (11) em entrevista coletiva após o encerramento da Cúpula do G20, na Índia, que “estudaria” a participação do Brasil no Tribunal Penal Internacional (TPI). O Brasil é signatário do Estatuto de Roma que estabeleceu e definiu as bases do TPI. Apesar de terem participado ativamente dos debates sobre sua criação, Estados Unidos e Rússia votaram contra a sua criação.

Lula fez a declaração ao responder perguntas de jornalistas em torno da polêmica gerada por uma entrevista a um canal de tevê indiano, onde disse que se o presidente russo Vladimir Putin fosse ao Brasil para a próxima cúpula do G20, que será realizada no Rio de Janeiro, em 2024, não seria preso.

Putin é visado por um mandado de prisão emitido em março pelo TPI, que o acusa de crimes de guerra pela deportação de crianças ucranianas. Por fazer parte do TPI, o Brasil deveria entregar Putin à justiça internacional caso ele entrasse em seu território. “Eu inclusive quero estudar muito essa questão desse tribunal penal, porque os Estados Unidos não são signatários (...) Então eu quero saber, por que o Brasil virou signatário de um tribunal que os Estados Unidos não aceita?”, disse o presidente na coletiva.

O TPI (ICC, na sigla em inglês para International Criminal Court) foi criado pelo Estatuto de Roma, de 1998, para julgar indivíduos acusados de crimes de genocídio, crimes de guerra, crimes contra a humanidade e crimes de agressão. Os casos são remetidos ao TPI apenas quando se considera que os sistemas de justiça nacionais são incapazes ou não se mostram dispostos a processar os suspeitos desses crimes.

O Conselho de Segurança da ONU pode remeter casos ao TPI. No entanto, alguns dos países mais poderosos do mundo, incluindo Estados Unidos, Rússia, China, Índia e Israel, não assinaram ou não ratificaram o Estatuto de Roma.

Ameaça à soberania dos Estados Unidos - Uma das questões levantadas por Lula durante a coletiva foi porque as grandes potências como os Estados Unidos, a China ou a Rússia não são signatárias.

Os EUA são atualmente um dos principais opositores do TPI porque viam a criação de uma corte permanente internacional como uma ameaça a sua soberania. Em 1998, durante a Conferência de Roma, que estabeleceu e definiu as bases do TPI, os representantes americanos votaram contra o Estatuto de Roma que estabelecia o Tribunal.

O ex-presidente dos Estados Unidos, Bill Clinton, chegou a assinar o Estatuto em 2000, mas ele não foi submetido à aprovação do senado americano. E em 2002, o governo de George Bush retirou a assinatura do tratado.

"Os EUA e a Rússia participaram ativamente da discussão do estatuto de Roma. Só que na hora “h”, eles, como sempre quando o tema envolve tratados, especialmente em questões militares ou que podem implicar em processar seus cidadãos, se afastaram”, diz o advogado, especialista em Direito Internacional, Djalma Brochado, em entrevista à RFI.

“A Rússia não quis ficar atrás e assinou, mas não ratificou, e depois pediu para desconsiderar a assinatura”, diz.

Tribunal independente - O Tribunal é independente da ONU, mas atua em sinergia com a organização. Ele tem 18 juízes eleitos pelos estados-membros, por mandatos de nove anos, sem possibilidade de reeleição. Do Conselho de Segurança, somente dois países são signatários: a França e o Reino Unido.

“É claro que compromete muito quando você não tem o apoio de três potências, com bombas nucleares, que fazem parte do Conselho, até porque o Estatuto de Roma é um dispositivo específico que diz que qualquer investigação pode ser interrompida a requerimento do conselho de segurança. Ou seja, o conselho de segurança tem gente que não faz parte, mas que pode impedir determinada investigação que esteja ocorrendo lá”, explica o advogado.

Sobre a saída do Brasil, ele não traria consequências práticas imediatas, destaca o especialista. “O Brasil pode sair, qualquer país pode pedir para se retirar do estatuto de Roma”, diz. “Alguns países africanos já ameaçaram isso”, acrescenta. Brochado explica que após um ano da saída comunicada à ONU, a retirada passa a ser efetiva. O país não seria mais parte do Estatuto de Roma e “alguns crimes que porventura estão lá estipulados, se ocorressem no Brasil, eles não poderiam ser processados pelo Estatuto ou pelo Tribunal Penal Internacional”, explica.  

Mas ele explica que não basta apenas que o crime seja estipulado pelo Estatuto para que o julgamento aconteça, são necessários outros requisitos, como, por exemplo, importância e relevância. Além disso, é necessário que o réu não tenha sido processado no país de origem, porque o TIP tem uma competência subsidiária.  

Marco para o Direito Internacional - Djalma Brochado também lembra que o tribunal não tem “dentes”, ou seja, não tem polícia própria e depende muito da cooperação dos Estados-membros. No caso de Putin, por exemplo, se o Brasil efetivamente descumprisse o mandato do TPI de enviar o presidente russo para julgamento, as consequências práticas não seriam grandes.

“Na parte Internacional, as consequências de descumprimento de determinações de órgãos internacionais, mesmo que o país seja signatário, elas são muito mais simbólicas do que necessariamente efetivas”, diz. “Então, por exemplo, caso o Putin venha para cá e o Brasil não faça o papel do estado-membro e cumprir a ordem de prisão, a consequência é mais moral, política do que necessariamente prática. Não existe uma sanção ao Brasil por conta desse descumprimento. O Estado é voluntário para aderir, ele não é obrigado a aderir um tratado”, completa.

Apesar disso, ele diz que a criação do TIP é um marco para o Direito Internacional. “Primeiro porque é o único, como eu disse, permanente, que processa indivíduos. Mesmo não tendo todos os países, já são muitos. São mais de 123 países que já assinaram o estatuto de Roma. Então é um reconhecimento Internacional significativo de que estes crimes são inadmissíveis”, diz informando que atualmente está em estudo a inclusão do crime de “ecocídio”.

Ele lamenta que o TPI não conte com o apoio da Rússia, China e Estados Unidos, mas ressalta que quase todos os países da União Europeia fazem parte. “O mundo, politicamente, é maior que isso. Todos eles têm voto igual na assembleia geral da ONU, a União Europeia é extremamente forte, um player importantíssimo. É difícil dizer que ele não é um tribunal importante por conta da ausência dos Estados Unidos. O tribunal não é considerado menor por isso. Ele é considerado um tribunal novo, um desenvolvimento”, afirma. 

iBest: 247 é o melhor canal de política do Brasil no voto popular

Assine o 247, apoie por Pix, inscreva-se na TV 247, no canal Cortes 247 e assista: