Salvador tem redução de dengue, zika e chikungunya

Os primeiros quatro meses de 2017 apresentaram redução no número de casos confirmados de dengue, zika vírus e chikungunya em Salvador, de acordo com dados da Secretaria Municipal de Saúde; entre janeiro e abril, 116 casos de dengue foram confirmados; o número é cinco vezes menor que o do primeiro quadrimestre de 2016, quando 626 pessoas tiveram diagnóstico positivo; em relação à chikungunya, o registro foi sete vezes menor, com 11 infectados até abril contra 79 no ano anterior; já o número de pacientes com zika vírus chegou a 15 – menos da metade do que foi computado em 2016, quando 32 pessoas apresentaram sintomas da doença nos meses de janeiro a abril

reg. 004-15 ICB IV Cientistas do Instituto Pasteur de Dakar, Senegal estão no Brasil para ajudar pesquisadores brasileiros a combater Zika Vírus. Mosquitos Aedes aegypti no laboratório de Espectrometria de Massa. 08/01/2016 Foto Marcos Santos
reg. 004-15 ICB IV Cientistas do Instituto Pasteur de Dakar, Senegal estão no Brasil para ajudar pesquisadores brasileiros a combater Zika Vírus. Mosquitos Aedes aegypti no laboratório de Espectrometria de Massa. 08/01/2016 Foto Marcos Santos (Foto: Romulo Faro)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Bahia 247 - Os primeiros quatro meses de 2017 apresentaram redução no número de casos confirmados de dengue, zika vírus e chikungunya em Salvador, de acordo com dados da Secretaria Municipal de Saúde.

Entre janeiro e abril, 116 casos de dengue foram confirmados. O número é cinco vezes menor que o do primeiro quadrimestre de 2016, quando 626 pessoas tiveram diagnóstico positivo. Em relação à chikungunya, o registro foi sete vezes menor, com 11 infectados até abril contra 79 no ano anterior. Já o número de pacientes com zika vírus chegou a 15 – menos da metade do que foi computado em 2016, quando 32 pessoas apresentaram sintomas da doença nos meses de janeiro a abril.

Atenção

A situação, contudo, ainda requer manutenção do estado de alerta em toda a capital baiana. "Continuamos com as ações rotineiras de visitas casa-a-casa, com realização de rondas contínuas, e formação de novas equipes para iniciativas em campo. Caso sejam constatados focos do mosquito, realizamos o bloqueio da área, com dispersão de inseticida. Além disso, são feitas visitas quinzenais a pontos estratégicos como obras, ferros-velhos, cemitérios e borracharias, onde costuma haver concentração de criadouros do mosquito", diz Isabel Guimarães, coordenadora de Vigilância em Saúde da Secretaria de Saúde.

As demais ações educativas para conscientizar a população são executadas, por meio de palestras, em escolas, instituições públicas, aeroporto e demais pontos estratégicos. A intenção é dar visibilidade às estratégias de combate ao mosquito. Também são distribuídos panfletos ilustrados e informações sobre como proceder para evitar a proliferação do Aedes aegypti.

Levantamento

Nos primeiros meses de 2017, Salvador registrou índices de infestação predial entre "1,0" e "3,9". De acordo com o primeiro Levantamento Rápido do Índice de Infestação por Aedes (LIRAa) de 2017, regiões como Cajazeiras, Águas Claras, Arraial do Retiro, Boca do Rio, São Caetano e Centro Histórico apresentam índice menor que "1,0", número considerado satisfatório pelos padrões sanitários.

Segundo a SMS, a localidade com números mais alarmantes fica na Lagoa da Paixão, no bairro de Valéria. Lá, o índice é de "10,9" de infestação para o Aedes aegypti. Um novo LIRAa deverá ser divulgado nos próximos dias pela secretaria.

Aqueles que quiserem auxiliar o trabalho do CCZ no combate ao mosquito, denunciando criadouros, podem entrar em contato com o órgão por meio do telefone (71) 3266-2188. Quem preferir também pode fazer denúncias pelo Fala Salvador, pelo número telefônico 156 ou pelo site fala.salvador.ba.gov.br.

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247