Secretária de Cultura será julgada por improbidade

Ex-prefeita de Piranhas, no Sertão de Alagoas, a secretária Estadual de Cultura, Mellina Freitas, será julgada pela justiça federal por improbidade administrativa; ela teria deixado de prestar contas de um convênio assinado com a Fundação Nacional de Saúde (Funasa) para construção de habitações para prevenção da Doença de Chagas

Ex-prefeita de Piranhas, no Sertão de Alagoas, a secretária Estadual de Cultura, Mellina Freitas, será julgada pela justiça federal por improbidade administrativa; ela teria deixado de prestar contas de um convênio assinado com a Fundação Nacional de Saúde (Funasa) para construção de habitações para prevenção da Doença de Chagas
Ex-prefeita de Piranhas, no Sertão de Alagoas, a secretária Estadual de Cultura, Mellina Freitas, será julgada pela justiça federal por improbidade administrativa; ela teria deixado de prestar contas de um convênio assinado com a Fundação Nacional de Saúde (Funasa) para construção de habitações para prevenção da Doença de Chagas (Foto: Voney Malta)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Por cadaminuto.com.br - A ex-prefeita do município sertanejo de Piranhas e atual secretária estadual de cultura Mellina Torres Freitas será submetida a julgamento na terça-feira (20) na capital Maceió. A ex-gestora é acusada de Improbidade administrativa. Segundo o Ministério Público Federal (MPF), Mellina enquanto prefeita da cidade de Piranhas não prestou contas do convênio 0138/2008, assinado com a Fundação Nacional de Saúde (Funasa). Objetivo do convênio era construir unidades habitacionais para prevenção da Doença de Chagas. O convênio teve vigência de 09/07/2009 a 21/09/2012.

Conforme aponta a ação de n° 0000097-17.2013.4.05.8003, este convênio previu a transferência de R$ 150 mil via Funasa, com contrapartida de R$ 17.651,01 da Prefeitura de Piranhas, totalizando R$ 167.651,01. A ex-prefeita Mellina Freitas alega em sua defesa ter apresentado a prestação de contas e nega ter agido por má fé, apesar do MPF afirmar o contrário.

Se condenada for, conforme o Ministério Publico Federal determina, a ex-prefeita e atual secretaria estadual de cultura  terá de devolver o dinheiro, ser demitida da secretaria, perder os direitos políticos entre 5 e 8 anos, pagar multa e ficar proibida de contratar com o poder público ou receber incentivos fiscais, como pessoa jurídica. A juiza da 11ª Vara Federal, Camila Monteiro Pullin Milan fará a condução da audiência.

Pauta da audiencia. Confira abaixo:

2 – AÇÃO CIVIL PÚBLICA DE IMPROBIDADE ADMINISTRATIVA 1 – 0000097-17.2013.4.05.8003 MUNICÍPIO DE PIRANHAS E OUTROS (Adv. ANDERSON MÁRCIO SILVA COSTA, PROCURADOR FEDERAL DA PGF EM ALAGOAS, PROCURADOR DA REPÚBLICA EM ALAGOAS, DIOGO ALENCAR SILVA DE ARAÚJO) x MELLINA TORRES FREITAS (Adv. YLANA AMARO DE BRITO, FÁBIO C FERRÁRIO DE ALMEIDA, MILTON GONÇALVES FERREIRA NETTO). CERTIFICO e dou fé que fica designada para o dia 20 de junho de 2017, às 15:30h, a realização de INSTRUÇÃO E JULGAMENTO, tendo sido devidamente incluída na pauta, cf. determinado pela MM. Juíza Federal CAMILA MONTEIRO PULLIN MILAN.

 

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247