Sem crise: Goiás é o 2º estado que mais gerou empregos

Mesmo diante da retração econômica nacional, Goiás acumula de janeiro a outubro deste ano o segundo maior saldo de criação de novas vagas pelo mercado formal do País; números do Ministério do Trabalho mostram que o Estado gerou 4.473 novos postos nos primeiros dez meses e caminha para fechar o ano com saldo positivo; resultado positivo de Goiás é decorrente, em grande parte, da política de atração de investimentos e incentivos fiscais, defendida pelo governador Marconi

Desemprego fica em 7,6% em janeiro
Desemprego fica em 7,6% em janeiro (Foto: José Barbacena)

Goiás 247 - Mesmo diante da retração econômica que passa o País, Goiás acumula de janeiro a outubro deste ano o segundo maior saldo de criação de novas vagas pelo mercado formal do País. Dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), divulgado pelo Ministério do Trabalho, revelam que o Estado gerou 4.473 novos postos nos primeiros dez meses e caminha para fechar o ano com saldo positivo.

O Estado só perde para Mato Grosso do Sul (7.976 vagas). Apenas quatro estados apresentaram resultados positivos no acumulado no período. Além de MS e GO, Mato Grosso (3.049) e Roraima (686) apresentarem resultados positivos. Outros 22 Estados mais o Distrito Federal apresentaram mais desligamentos do que admissões (veja quadro), conforme mostra o levantamento do Ministério do Trabalho.

O resultado positivo de Goiás é decorrente, em grande parte, da política de atração de investimentos e incentivos fiscais, defendida pelo governador Marconi Perillo, e dos ajustes fiscais, que ele fez e que possibilitaram a destinação de mais recursos, antes usados para o custeio para investimentos públicos, que estão impactando diretamente na geração de empregos. “A geração de empregos é uma meta de nosso governo”, afirma Marconi.

O número registrado no acumulado de 2016 pelo Estado representa um avanço de 0,37% em relação ao mesmo período de 2015. No País, a variação percentual é de menos 1,89%. O resultado positivo goiano é puxado pelas contratações da agropecuária, setor de serviços e construção civil. Com o tradicional aumento de admissões no fim ano, a tendência é de que o Estado feche o ano com resultado positivo e acima da média porcentual do País.

No ano, Goiás gerou até agora 483.337 vagas e registrou 478.864 desligamentos. Cristalina (4.071), Inhumas (1.105) e Quirinópolis (971) foram os municípios goianos, com mais de 30 mil habitantes, que mais geraram emprego no Estado, segundo o Caged. Grande parte das vagas foi gerada nestas cidades por empreendimentos na área da agricultura irrigada, indústria de alimentos e agropecuária. O apontamento revela o desempenho positivo em diferentes regiões do Estado (Entorno, Região Metropolitana e Sul do Estado).

Avaliação

Os balanços da geração de emprego vêm sendo positivos em Goiás neste ano. O Estado encerrou o primeiro semestre como o maior gerador de emprego do País. Apenas Goiás e Mato Grosso fecharam o período como saldo positivo. Todos os outros Estados fecharam com déficit. O resultado de Goiás, mesmo assim, é quase três vezes maior que o do segundo colocado, o Estado do Mato Grosso.

O programa Fala Brasil, da Rede Record de TV, veiculou, há duas semanas, reportagem intitulada “Terra do Emprego”, em que Goiás aparece como campeão nacional da geração de emprego e renda. Enquanto que o País apresenta saldo negativo na geração de novos postos de trabalho, a realidade de Goiás é bem diferente.

O governador Marconi Perillo assinalou que o Brasil vive a maior depressão da história, com dois anos seguidos de recessão, com PIB de quase - 4%. Segundo ele, a situação de Goiás é um pouco melhor e o Estado já se prepara para sair da crise, graças a uma série de incentivos que o governo estadual criou, especialmente nos últimos 20 anos, e também graças a um “foco muito forte” no agronegócio, na formação e qualificação de mão de obra e na infraestrutura.

Conheça a TV 247

Mais de Geral

Ao vivo na TV 247 Youtube 247