Sergipe terá laboratório contra lavagem de dinheiro

"Vai auxiliar todas as unidades da Polícia Civil a combater o lucro que as atividades criminosas dão. Não basta prender, mas também localizar esse dinheiro e bloqueá-lo, senão as organizações criminosas sobrevivem", explica Danielle Garcia, da Polícia Civil de Sergipe; "Temos apertado o cerco à lavagem de dinheiro e aos bens adquiridos de forma ilícita. Novas tecnologias para cruzamento de dados e acordos internacionais, inclusive com países que hospedam paraísos fiscais, estão quebrando a espinha dorsal do crime, que é praticado no mundo associado à corrupção e até mesmo ao terrorismo", disse

"Vai auxiliar todas as unidades da Polícia Civil a combater o lucro que as atividades criminosas dão. Não basta prender, mas também localizar esse dinheiro e bloqueá-lo, senão as organizações criminosas sobrevivem", explica Danielle Garcia, da Polícia Civil de Sergipe; "Temos apertado o cerco à lavagem de dinheiro e aos bens adquiridos de forma ilícita. Novas tecnologias para cruzamento de dados e acordos internacionais, inclusive com países que hospedam paraísos fiscais, estão quebrando a espinha dorsal do crime, que é praticado no mundo associado à corrupção e até mesmo ao terrorismo", disse
"Vai auxiliar todas as unidades da Polícia Civil a combater o lucro que as atividades criminosas dão. Não basta prender, mas também localizar esse dinheiro e bloqueá-lo, senão as organizações criminosas sobrevivem", explica Danielle Garcia, da Polícia Civil de Sergipe; "Temos apertado o cerco à lavagem de dinheiro e aos bens adquiridos de forma ilícita. Novas tecnologias para cruzamento de dados e acordos internacionais, inclusive com países que hospedam paraísos fiscais, estão quebrando a espinha dorsal do crime, que é praticado no mundo associado à corrupção e até mesmo ao terrorismo", disse (Foto: Valter Lima)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

ASN - O Departamento de Recuperação de Ativos e Cooperação Jurídica Internacional do Ministério da Justiça (DRCI) anunciou nesta quarta-feira ,18, em Brasília, a instalação de novos laboratórios contra a lavagem de dinheiro no país. Em 2014, o número de laboratórios chega a 43, contemplando todas os estados e o Distrito Federal. O DRCI é ligado à Secretaria Nacional de Justiça do MJ.

As novas unidades serão instaladas na Superintendência de Polícia Federal em São Paulo, Procuradoria Geral da República do Ministério Público Federal, Ministério Público do Rio Grande do Norte, e nas Polícias Civis dos Estados do Rio Grande do Sul, Distrito Federal, Sergipe, Alagoas, Rio Grande do Norte, Paraíba, Ceará, Paraná, Goiás, Maranhão, Piauí e Tocantins.

A delegada Danielle Garcia, da Polícia Civil de Sergipe, define a instalação do Laboratório no estado como fundamental para complementar uma série de investigações.

"Vai auxiliar todas as unidades da Polícia Civil a combater o lucro que as atividades criminosas dão. Não basta prender, mas também localizar esse dinheiro e bloqueá-lo, senão as organizações criminosas sobrevivem", explicou Danielle.

Segundo Roberto Zaina, coordenador do Laboratório de Tecnologia Contra Lavagem de Dinheiro do DRCI, "a proposta é implantar laboratórios modelos para a aplicação de soluções de análise tecnológica em grandes volumes de informações e para a difusão de estudos sobre o tema".

A motivação de criação do Laboratório de Tecnologia contra Lavagem de Dinheiro do MJ se originou da observação dos órgãos participantes da Estratégia Nacional de Combate à Corrupção e à Lavagem de Dinheiro (Enccla) de que as investigações de casos de lavagem de dinheiro ou corrupção envolviam quebras de sigilo bancário de inúmeras contas, sigilos telefônico e fiscal, durante grandes períodos.

A delegada Danielle Garcia e a coordenadora da Assessoria de Planejamento da SSP, Alessandra Fabiana, estão em Brasília a fim de conhecer os detalhes finais para a implantação do laboratório no Estado. No último dia 12, em Bogotá, na Colômbia, o secretário Nacional de Justiça do MJ, Paulo Abrão, presidente do Grupo de Peritos no Controle da Lavagem de Dinheiro (Lavex), discursou, dando ênfase a evolução do trabalho investigativo no Brasil.

"Temos apertado o cerco à lavagem de dinheiro e aos bens adquiridos de forma ilícita. Novas tecnologias para cruzamento de dados e acordos internacionais, inclusive com países que hospedam paraísos fiscais, estão quebrando a espinha dorsal do crime, que é praticado no mundo associado à corrupção e até mesmo ao terrorismo", destacou.

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247