Sindicato vê cenário positivo com luz mais barata

O presidente do Sindicato das Indústrias do Papel e Celulose da Bahia (Sindpacel), Jorge Cajazeira, avalia como "extremamente positiva" a medida da presidente Dilma Rousseff de reduzir 32% o valor da conta de luz; "Isso vai ter um impacto direto na veia do setor"; setor de papel e celulose é um dos que mais consomem energia

Sindicato vê cenário positivo com luz mais barata
Sindicato vê cenário positivo com luz mais barata (Foto: Divulgação)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Bahia 247

Com exceção da oposição ao governo federal, a redução de 32% na conta de luz dos brasileiros anunciada ontem pela presidente Dilma Rousseff repercute bem em quase toda a sociedade.

O presidente do Sindicato das Indústrias do Papel e Celulose da Bahia (Sindpacel), Jorge Cajazeira, por exemplo, avalia como "extremamente positiva" a medida.

O setor de papel e celulose é um dos que mais consomem energia. Cajazeira estima que o custo de produção para as empresas compradoras de energia deve cair em 15% com essa medida.

"Isso vai ter um impacto direto na veia do setor", afirma o sindicalista em entrevista ao jornal A Tarde.

Contudo, ele distingue o provável impacto da redução na conta da indústria de papel e de celulose. Nessa última, é comum as empresas produzirem a própria energia, portanto, será menos afetada pela medida governamental.

"Deve haver uma economia entre 3% e 5% nos custos de produção, o que vai ser gerado indiretamente através dos custos reduzidos com matéria-prima e o frete", explica Cajazeira.

"As empresas que geram a própria energia representam 30% do total, mas 70% do faturamento do setor vem delas".

Residências

Entre os consumidores residenciais, a redução de 18% na conta foi elogiada. A assistente administrativa Rita Silva ganha um salário mínimo e tem em média uma despesa mensal de R$ 100 com a conta de luz. Para ela, a economia de R$ 18, ao longo de um ano, pode ajudar a amenizar outras despesas.

"Dá para investir no material escolar do meu filho, por exemplo", diz Rita Silva. O comerciante Carlos Alberto Neri de Oliveira gasta em média R$ 1 mil com a conta de luz residencial, o que representa 15% das despesas mensais com a casa.

Ele diz que essa economia vai ajudar a pagar 50% da conta de água. "Mas eu ainda não estou acreditando nesses R$ 180", admite, desconfiado. Ele gostaria que o desconto também fosse aplicado ao seu comércio. Entre as despesas de manutenção do espaço, a energia é a maior. Informações do jornal A Tarde.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como:

• Cartão de crédito na plataforma Vindi: acesse este link

• Boleto ou transferência bancária: enviar email para [email protected]

• Seja membro no Youtube: acesse este link

• Transferência pelo Paypal: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Patreon: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Catarse: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Apoia-se: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Vakinha: acesse este link

Inscreva-se também na TV 247, siga-nos no Twitter, no Facebook e no Instagram. Conheça também nossa livraria, receba a nossa newsletter e ative o sininho vermelho para as notificações.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247