Geral

Skaf torce por derrota do governo na desoneração

O presidente da Federação das Indústrias de São Paulo (Fiesp), Paulo Skaf (PMDB), afirmou nesta quarta-feira, 10, que torce para que o governo tente votar hoje o projeto de lei que altera as regras de desoneração da folha de pagamento concedida a 56 setores da economia; "Estamos torcendo para que se ponha em votação e o governo perca. Aumentar a tributação sobre a folha de pagamento significa aumentar o risco de desemprego", afirmou Skaf; segundo o líder do governo no Senado, Delcídio Amaral (PT-RS), a votação ficou para a próxima semana

O presidente da Federação das Indústrias de São Paulo (Fiesp), Paulo Skaf (PMDB), afirmou nesta quarta-feira, 10, que torce para que o governo tente votar hoje o projeto de lei que altera as regras de desoneração da folha de pagamento concedida a 56 setores da economia; "Estamos torcendo para que se ponha em votação e o governo perca. Aumentar a tributação sobre a folha de pagamento significa aumentar o risco de desemprego", afirmou Skaf; segundo o líder do governo no Senado, Delcídio Amaral (PT-RS), a votação ficou para a próxima semana (Foto: Aquiles Lins)

✅ Receba as notícias do Brasil 247 e da TV 247 no canal do Brasil 247 e na comunidade 247 no WhatsApp.

SP 247 - O presidente da Federação das Indústrias de São Paulo (Fiesp), Paulo Skaf (PMDB), afirmou nesta quarta-feira, 10, que torce para que o governo tente votar hoje o Projeto de Lei 863/2015, que altera as regras de desoneração da folha de pagamento concedida a 56 setores da economia – reduzindo o benefício fiscal.

"Estamos torcendo para que se ponha em votação e o governo perca. Aumentar a tributação sobre a folha de pagamento significa aumentar o risco de desemprego", afirmou Skaf, após reunião com o presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), e com o deputado federal Paulinho da Força (SD-SP).

Segundo Skaf e Paulinho, o ministro da Fazenda, Joaquim Levy, insistia nesta manhã que a votação ocorresse ainda nesta quarta-feira, como previsto inicialmente, embora não houvesse acordo com o relator do projeto e líder do PMDB na Câmara, deputado Leonardo Picciani (RJ).

Levy, o presidente da República em exercício, Michel Temer (PMDB), se reuniram na residência oficial do vice-presidente para negociar o projeto.

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

A principal divergência é que o relator pretende manter a desoneração para os setores de comunicações, tecnologia da informação (TI), transportes e produtos da cesta básica. Skaf se manifestou contra essa ideia. "O incentivo foi criado para a indústria, que prevê queda de 6% na produção neste ano. Por que manter a desoneração só para outros setores?", questionou.

Votação fica para semana que vem

Também nesta quarta-feira, o líder do governo no Senado, Delcídio Amaral (PT-MS), disse que a votação do projeto deve ficar para a semana que vem.Segundo Delcídio, o governo quer mais prazo para discutir as propostas do relator da matéria, deputado Leonardo Picciani (PMDB-RJ), para manter a intenção original do projeto de auxiliar o governo a fechar as contas do ajuste fiscal.

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

"Não é um debate simples, precisa de articulação. É mais sensato, mais cauteloso, votar semana que vem", disse o líder após reunião no Palácio do Jaburu, residência oficial do vice-presidente Michel Temer, que está no exercício da Presidência da República.

iBest: 247 é o melhor canal de política do Brasil no voto popular

Assine o 247, apoie por Pix, inscreva-se na TV 247, no canal Cortes 247 e assista:

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO
CONTINUA APÓS O ANÚNCIO