SP: queda de homicídios, mas roubos aumentam

Pelo terceiro mês seguido, governo de São Paulo, de Geraldo Alckmin (PSDB),  registra recuo em assassinatos intencionais - 10% no Estado e 12% na capital. Até março deste ano, Estado teve oito meses seguidos de alta. No entanto, crimes como latrocínios e roubos cresceram em junho e no semestre. "Mas essa redução não se dá da noite para o dia. Não é mágica", justificou Fernando Grella Vieira, secretário da Segurança Pública

SP: queda de homicídios, mas roubos aumentam
SP: queda de homicídios, mas roubos aumentam
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 – Principal deficiência no governo de Geraldo Alckmin, a segurança pública registrou um ligeiro progresso no Estado. Pelo terceiro mês seguido, houve queda nos casos de homicídios dolosos (intencionais).

A redução em junho foi de 10,3% em relação ao mesmo mês do ano passado. O número de ocorrências caiu de 396 para 355. Na capital paulista, houve recuo de 12,3%.

No entanto, outros crimes tiveram piora: roubos e latrocínios (assaltos com morte). O aumento de roubos no Estado foi de 9,3% em junho e de 1,34% no primeiro semestre deste ano --sempre em relação a igual período de 2012. Os latrocínios saltaram 20% no mês passado e 14% no acumulado do semestre.

"São crimes que temos trabalhado muito para reduzir. Mas essa redução não se dá da noite para o dia. Não é mágica", afirmou Fernando Grella Vieira, secretário da Segurança Pública.

A queda em homicídios nos últimos três meses indica que foi interrompida a escalada desse crime em São Paulo - que teve oito meses seguidos de alta, até março.

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247