STF mantém condenação de Lessa por calúnia

O Supremo Tribunal Federal (STF) manteve decisão do Tribunal Regional Eleitoral de Alagoas (TRE-AL) que condena o deputado federal Ronaldo Lessa (PDT-AL) por crime de calúnia; no ano passado, após invasão e furto de documentos no comitê do PDT, ele acusou o então governador Teotonio vilela (PSDB) pelo caso; pena mantida  de oito meses de prisão foi convertida em trabalho comunitário e multa de 20 salários mínimos

O Supremo Tribunal Federal (STF) manteve decisão do Tribunal Regional Eleitoral de Alagoas (TRE-AL) que condena o deputado federal Ronaldo Lessa (PDT-AL) por crime de calúnia; no ano passado, após invasão e furto de documentos no comitê do PDT, ele acusou o então governador Teotonio vilela (PSDB) pelo caso; pena mantida  de oito meses de prisão foi convertida em trabalho comunitário e multa de 20 salários mínimos
O Supremo Tribunal Federal (STF) manteve decisão do Tribunal Regional Eleitoral de Alagoas (TRE-AL) que condena o deputado federal Ronaldo Lessa (PDT-AL) por crime de calúnia; no ano passado, após invasão e furto de documentos no comitê do PDT, ele acusou o então governador Teotonio vilela (PSDB) pelo caso; pena mantida  de oito meses de prisão foi convertida em trabalho comunitário e multa de 20 salários mínimos (Foto: Voney Malta)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Alagoas247 – A segunda turma do Supremo Tribunal Federal (STF) decidiu manter decisão do Tribunal Regional Eleitoral de Alagoas (TRE-AL) que havia condenado, em abril de 2014, o atual deputado federal Ronaldo Lessa (PDT) por crime de calúnia.

Lessa, em entrevista a imprensa, havia acusado o então governador Teotonio Vilela de ser o responsável pela invasão ao comitê do PDT e ao furto de documentos e computadores.

A pena de Ronaldo Lessa, que foi mantida pelo STF, de oito meses de prisão foi convertida em trabalho comunitário e multa de 20 salários mínimos – R$ 15.760. o caso só foi parar no STF porque Lessa conseguiu o mandato de deputado federal.

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247