STJ manda soltar Carlos Nuzman

O Superior Tribunal de Justiça (STF) concedeu nesta quinta-feira liberdade ao ex-presidente do Comitê Olímpico do Brasil (COB) Carlos Arthur Nuzman, preso desde o dia 5 deste mês acusado de intermediar compra de votos para escolha do Rio de Janeiro como sede da Olimpíada de 2016; decisão liminar foi tomada por 4 votos a 0 e ainda não há data para análise do mérito; na decisão também ficou determinado que Nuzman entregue seus passaportes e que não mantenha contato com outros investigados no caso

Nuzman é levado para a prisão no Rio de Janeiro 5/10/2017 REUTERS/Bruno Kelly
Nuzman é levado para a prisão no Rio de Janeiro 5/10/2017 REUTERS/Bruno Kelly (Foto: Aquiles Lins)

Agência Brasil - A Sexta Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ) decidiu hoje (19) libertar o ex-presidente do Comitê Olímpico do Brasil (COB) Carlos Arthur Nuzman, um dia após ele ter sido denunciado por corrupção e organização criminosa pelo Ministério Público Federal (MPF), no âmbito da Operação Unfairplay, que investiga a compra de votos para a escolha do Rio como sede olímpica de 2016.

Nuzman, que foi também presidente do Comitê Organizador dos Jogos Olímpicos Rio 2016, foi preso temporariamente no último dia 5. Quatro dias depois, o juiz Marcelo Bretas, da 7ª Vara Federal do Rio de Janeiro, converteu a prisão em preventiva, sem prazo para terminar, após pedido do MPF. O magistrado alegou que Nuzman teria tentado utilizar recursos do COB para pagar sua própria defesa pessoal.

A ministra Maria Thereza de Assis Moura, relatora do pedido de liberdade de Nuzman no STJ, entendeu, no entanto, que a prisão temporária seria medida desproporcional ante os crimes pelos quais o ex-presidente do COB foi denunciado. Ela foi seguida pelos ministros Sebastião Reis Júnior, Rogerio Schietti e Nefi Cordeiro. O ministro Antonio Saldanha não participou.

A prisão de Nuzman foi substituída, por meio de liminar, por medidas cautelares alternativas, entre elas a proibição de deixar o Rio de Janeiro e de ter acesso às instalações do COB e do Comitê Rio 2016. Ele também terá que entregar o passaporte e se apresentar regularmente à Justiça.

Segundo a denúncia do MPF, Nuzman teria participado de um esquema que pagou mais de R$ 6 milhões a dirigentes do Comitê Olímpico Internacional (COI) em troca de votos para a escolha do Rio como sede dos Jogos Olímpicos. Ele ainda manteria recursos ocultos em um cofre na Suíça, segundo os procuradores que pediram sua prisão preventiva.

Nuzman renunciou à presidência do COB no último dia 11 de outubro. Ele presidiu a entidade por quase 22 anos.

Conheça a TV 247

Ao vivo na TV 247 Youtube 247