Temer pode cancelar viagem para que Câmara não seja presidida por Ramalho

Em maio, Michel Temer tem uma viagem marcada para a Alemanha, quando Rodrigo Maia (DEM-RJ), presidente da Câmara, assumiria a presidência e deixaria seu posto para o deputado Fabio Ramalho (PMDB-MG), seu vice, que na semana passada rompeu com Temer e prometeu derrotas ao presidente na Casa; Temer receia que o deputado atrapalhe a aprovação de reformas

Em maio, Michel Temer tem uma viagem marcada para a Alemanha, quando Rodrigo Maia (DEM-RJ), presidente da Câmara, assumiria a presidência e deixaria seu posto para o deputado Fabio Ramalho (PMDB-MG), seu vice, que na semana passada rompeu com Temer e prometeu derrotas ao presidente na Casa; Temer receia que o deputado atrapalhe a aprovação de reformas
Em maio, Michel Temer tem uma viagem marcada para a Alemanha, quando Rodrigo Maia (DEM-RJ), presidente da Câmara, assumiria a presidência e deixaria seu posto para o deputado Fabio Ramalho (PMDB-MG), seu vice, que na semana passada rompeu com Temer e prometeu derrotas ao presidente na Casa; Temer receia que o deputado atrapalhe a aprovação de reformas (Foto: Gisele Federicce)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Minas 247 – Michel Temer considera a possibilidade de cancelar uma viagem que tem agendada para a Alemanha em maio, segundo informa a Coluna do Estadão nesta terça-feira 28.

O motivo: não deixar que o deputado Fábio Ramalho (PMDB-MG) presida a Câmara, uma vez que o atual presidente, Rodrigo Maia (DEM-RJ), teria que assumir o Planalto na ausência de Temer.

O vice-presidente da Câmara rompeu com Temer na semana passada depois que o presidente escolheu o deputado Osmar Serraglio (PMDB-PR) para o ministério da Justiça, e não um parlamentar da bancada mineira.

Na ocasião, Ramalho afirmou que irá promover grandes derrotas a Temer na Casa. "Se prepara que o senhor vai ter muitas derrotas no Parlamento", ameaçou, depois de recusar uma pasta nova que seria criada por Temer para suprir os anseios do mineiro.

Temer receia que, em maio, quando as reformas da Previdência e Trabalhista devem ser votadas, o deputado atrapalhe a aprovação.

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247