TRF solta contador e mantém Cachoeira livre

Tribunal Regional Federal da 1ª Região analisou o mérito e manteve por unanimidade o habeas corpus concedido pelo desembargador Fernando Tourinho Neto em novembro do ano passado; Geovani Pereira da Silva, que esteve foragido por quase um ano antes de se entregar, ficou preso por modestos 20 dias

TRF solta contador e mantém Cachoeira livre
TRF solta contador e mantém Cachoeira livre
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Goiás247_ O contraventor Carlinhos Cachoeira pode continuar a viver sua vida tranquilamente ao lado da esposa Andressa Mendonça. Na tarde desta segunda-feira (4), a Terceira Turma do Tribunal Regional Federal da 1ª Região (TRF-1) decidiu por unanimidade manter o habeas corpus que lhe foi concedido em novembro do ano passado pelo desembargador Tourinho Neto.

O TRF-1 analisou o mérito da medida liminar e, por unanimidade, não encontrou nenhum elemento novo que justificasse a prisão do contraventor. Cachoeira vive em Goiânia no condomínio de luxo Alphaville.

"Recorremos do decreto de prisão preventiva para que Carlos Augusto Ramos pudesse recorrer da pena em liberdade. Conseguimos uma liminar e estávamos aguardando o julgamento do mérito, o que ocorreu hoje. A decisão contra o decreto de prisão foi unânime", disse ao G1 Goiás, por telefone, o advogado de Cachoeira, Nabor Bulhões.

O TRF-1 também concedeu habeas corpus a Geovani Pereira da Silva, apontado pela Polícia Federal como contador do grupo que comandava a exploração de jogos ilegais em Goiás. Ele ficou modestos 20 dias no Complexo Prisional de Aparecida de Goiânia depois que decidiu se entregar. Ele ficou foragido por quase um ano após sua prisão ter sido decretada dentro da Operação Monte Carlo.

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247