Tribunal mantém condenação de ex-presidente de Israel por estupro

Sobre apelao de Moshe Katsav, Suprema Corte do pas decide manter condenao de sete anos de priso ao ex-lder; ele ainda dever pagar US$ 28 mil principal vtima e US$ 7 mil segunda

Tribunal mantém condenação de ex-presidente de Israel por estupro
Tribunal mantém condenação de ex-presidente de Israel por estupro (Foto: BAZ RATNER/REUTERS)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

A Suprema Corte de Israel manteve nesta quinta-feira a condenação ao ex-presidente Moshe Katsav por estupro, ao decidir sobre uma apelação dele contra a condenação e a sentença de sete anos de prisão. Três juízes responsáveis pelo caso decidiram que Katsav era culpado por estupro e rejeitaram os "cenários alternativos" propostos por ele, segundo a rádio do Exército israelense.

Katsav, de 65 anos, foi sentenciado em março a sete anos de prisão, após ser condenado no fim do ano passado por duas acusações de estupro e outros delitos sexuais em um escândalo que abalou Israel. Ainda deve pagar o equivalente a US$ 28 mil à principal vítima, conhecida apenas como "Aleph", bem como US$ 7 mil à segunda vítima.

Com a manutenção da sentença, Katsav deve começar a cumprir a pena nos próximos dias, segundo a imprensa israelense. A defesa alegava que Katsav havia mantido relações sexuais consensuais com as mulheres. Durante o julgamento, o ex-presidente foi apresentado como um predador sexual que rotineiramente incomodava suas funcionárias. Ele dizia ser vítima de uma conspiração da imprensa. As informações são da Dow Jones.

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

WhatsApp Facebook Twitter Email