‘Tu vai trabalhar às 7h, não acha que sairá de presídio algemado no outro dia’

O repórter Matheus Chaparini, do Jornal Já, foi preso junto com outros 46 pessoas (37 delas menores de idade), durante a ação de desocupação do prédio da Secretaria da Fazenda pela Brigada Militar do RS; ele passou 14 horas detido preso, boa parte delas passadas em uma sala apertada do Presídio Central; ASecretaria de Segurança Pública (SSP) justificou a prisão dizendo que o repórter  estava dentro do prédio invadido, mas a alegação é desmentida pelos vídeos em que o repórter fez do momento da prisão dos estudantes imagens mostram Matheus dizendo “sou da imprensa” e o capitão responsável pela ação rebatendo: “Para mim tu está junto, lá embaixo tu te identifica”; veja o vídeo

O repórter Matheus Chaparini, do Jornal Já, foi preso junto com outros 46 pessoas (37 delas menores de idade), durante a ação de desocupação do prédio da Secretaria da Fazenda pela Brigada Militar do RS; ele passou 14 horas detido preso, boa parte delas passadas em uma sala apertada do Presídio Central; ASecretaria de Segurança Pública (SSP) justificou a prisão dizendo que o repórter  estava dentro do prédio invadido, mas a alegação é desmentida pelos vídeos em que o repórter fez do momento da prisão dos estudantes imagens mostram Matheus dizendo “sou da imprensa” e o capitão responsável pela ação rebatendo: “Para mim tu está junto, lá embaixo tu te identifica”; veja o vídeo
O repórter Matheus Chaparini, do Jornal Já, foi preso junto com outros 46 pessoas (37 delas menores de idade), durante a ação de desocupação do prédio da Secretaria da Fazenda pela Brigada Militar do RS; ele passou 14 horas detido preso, boa parte delas passadas em uma sala apertada do Presídio Central; ASecretaria de Segurança Pública (SSP) justificou a prisão dizendo que o repórter  estava dentro do prédio invadido, mas a alegação é desmentida pelos vídeos em que o repórter fez do momento da prisão dos estudantes imagens mostram Matheus dizendo “sou da imprensa” e o capitão responsável pela ação rebatendo: “Para mim tu está junto, lá embaixo tu te identifica”; veja o vídeo (Foto: Leonardo Lucena)

Luís Eduardo Gomes, Sul 21 - O repórter Matheus Chaparini, do Jornal Já, foi preso nesta quarta-feira (15) junto com outros 46 pessoas (37 delas menores de idade), durante a ação de desocupação do prédio da Secretaria da Fazenda pela Brigada Militar. Nesta quinta, algumas horas após ser solto, e logo depois de ter terminado de escrever o seu relato dos fatos no Já, ele contou ao Sul21 como foram as 14 horas que permaneceu preso, boa parte delas passadas em uma sala apertada do Presídio Central.

Matheus conta que, inicialmente, tinha sido escalado para ir até o colégio Paula Soares entrevistar estudantes que rejeitavam o acordo com o governo para desocupar escolas, mas que foi para a Sefaz, por volta das 8h30, após receber a informação de que outro grupo de estudantes estava protestando no local. Do lado de fora da secretaria, inclusive entrevistou o tenente-coronel da Brigada Militar Marcus Vinicius, que comandava a operação.

“Quando chegou a BM, o comandante Marcus Vinicius deu uma pequena coletiva, ali eu entrevistei ele. Ele me conhece. Não lembro se falei meu nome, função e veículo, mas me identifiquei como jornalista e o entrevistei”, diz Chaparini, em relato testemunhado por este repórter.

Posteriormente, conta que viu um grupo de estudantes entrando na Sefaz por uma porta aberta na Avenida Mauá. “Eu fiz um raciocínio lógico: qual é a pauta? A pauta é a ocupação da secretaria, então eu vou entrar na secretaria. Tem porta aberta? Tem”.

Dentro do prédio, Matheus então passou a conversar com os estudantes, chegou inclusive a distribuir para eles uma edição do Jornal Já Bom Fim com uma matéria escrita por ele sobre as ocupações. Matheus relata ainda que, quando o comando da Brigada se reuniu com os jovens, ficou circulando pelo prédio, conversando com funcionários.

Em nota divulgada nesta quinta sobre a prisão do repórter, a Secretaria de Segurança Pública (SSP) alega que a “prisão em flagrante foi efetuada porque, durante todo o tempo, ele [Matheus Chaparini] estava dentro do prédio invadido, agindo como integrante do grupo militante que praticou a invasão”.

A nota também alega que Chaparini se identificou como jornalista apenas quando “já estava consumada a prisão pelo ato de invasão”. “Na Delegacia de Polícia, quando da lavratura do auto de prisão em flagrante, negou-se a falar, permanecendo em silêncio e optando por falar somente em juízo”.

A primeira alegação é desmentida pelos vídeos (divulgados hoje) que o repórter fez do momento da prisão dos estudantes. Por volta dos 4:40 (abaixo), as imagens mostram claramente Matheus dizendo “sou da imprensa” e o capitão responsável pela ação rebatendo: “Para mim tu está junto, lá embaixo tu te identifica”. O repórter diz que também estava com dois crachás de identificação em todo o tempo dentro do prédio.

As imagens de Matheus mostram brigadianos arrastando e jogando spray de pimenta no rosto de jovens que, sentados no chão, tentam resistir à prisão. Junto a ele, também estava o cinegrafista Kevin Darc, que está gravando um documentário sobre ocupações estudantis pelo Brasil.

“Eu disse (para Kevin): ‘Bom, vamos esperar sair os últimos, vamos atrás deles e continuar a matéria na rua’. Quando a gente foi sair, ‘Não, não, vocês vão junto”. Tem um vídeo que eu fiz, eles estão arrancando uma guria miúda, magrinha, menor de idade, e eu pergunto umas três vezes: ‘Capitão, para lidar com as meninas não precisa de brigadiana mulher?’ Me identifico como repórter. E ele diz: ‘não quero saber, tu está aqui desde o começo, para mim, tu tá junto'”, conta o repórter.

Matheus relata ainda que, em nenhum momento recebeu voz de prisão. “Ele me jogou para dentro do carro, não disse ‘esteja preso'”, afirma. “Inclusive, nesse carro, foi junto a representante do conselho tutelar. Eu pensei, de repente eu vou junto com ela e não sou um preso. Daí não, descobri que estava preso”.

Os dois jornalistas, a conselheira tutelar e os 45 estudantes detidos na desocupação foram levados inicialmente em dois micro-ônibus da BM para a sede da Delegacia de Polícia para Crianças e Adolescentes (Deca), onde 37 menores foram deixados. Depois, foram ecaminhados à 3ª Delegacia de Policia de Pronto Atendimento (DPPA) da Polícia Civil, no bairro Navegantes.

Ali, ele conta que não foi chamado para prestar depoimento, apenas respondeu a um questionário de identificação, em que foi perguntado sua profissão. “Eu disse: ‘a minha profissão é a que eu estou exercendo na ocupação. Sou jornalista e estava cobrindo'”, disse, desmentindo a versão da SSP de que se negou falar. “Porra, mais claro que isso… eu não pude mostrar a identificação porque já tinham me tirado. Quando tu vai para a delegacia, tu não pode ter nem cadarço de tênis, nem cinto. Eu estava com as calças caindo e os tênis arrastando no chão. Meu crachá estava com alguém no mundo. Eu falei: ‘joga meu nome no Google e vai aparecer o nome do‘”, relata.

Matheus e os outros nove maiores de idade presos, incluindo o cinegrafista Kevin, foram então levados ao Instituto Médico Legal, de onde saíram algemados para um cela na DPPA. “Aí foi cadeia, camburão da Civil. Um cubículozinho de lata, com o ar totalmente irrespirável. Quando bateram a porta, eu pensei ‘Vai me dar um treco'”.

Da delegacia, saiu em direção ao presídio feminino Madre Pelletier, para onde as três meninas maior de idade foram levadas, e partiram para o Presídio Central, onde chegaram por volta das 19h, 20h. “Lá, nos botaram numa cela, um tal de jumbo, que acho que é a triagem. A gente não chegou a ir para a galeria. Tinha duas celas ali no jumbo, uma cheia de gente e outra com dois senhores”.

Segundo relatos que ouviu no Central, os dois homens que estavam sozinhos na cela seriam acusados de estupro e por isso estariam em celas separadas. Ele diz que, quando estava sendo encaminhado para a cela, os outros presos “tiraram uma onda” com ele e com os outros detidos na desocupação da Fazenda. “‘Vocês são uns playboys, não são criminosos, são ‘crimimosos’. Foram se queimar e não ganharam um pila. Vai roubar um carro, uma moto, fazer algo de futuro'”.

No local, recebeu apenas a informação de que ficaria até a realização da audiência de custódia, inicialmente marcada para as 9h desta quinta, o que acabou sendo adiantado e realizado ainda na noite de quarta. Sem fazer uma refeição o dia inteiro, só recebeu alimentação por volta da meia-noite. Duas horas depois, foi libertado ao lado do cinegrafista e de outros estudantes, com idades entre 18 e 21 anos. Foi indiciado para responder a processo por dano qualificado ao patrimônio público, associação criminosa, esbulho possessório e corrupção de menores.

“É triste. Tu sai de casa para trabalhar às 7h de jejum, tu não acha que vai sair do Central algemado às 2h da madrugada do outro dia”, diz.

No entanto, apesar da prisão, diz que acredita que não hesitará em, se tiver a oportunidade, voltar a entrar em um prédio ocupado para fazer uma cobertura. “Não me deparei com a Brigada numa pauta ainda, com os caras que me prenderam lá. Mas, a princípio estou aqui trabalhando, botando a matéria no ar”.

Diretor do Já lamenta falta de apoio

Na manhã desta quinta, o editor do Jornal Já, Elmar Bones, lamentou a falta de assistência para jornalistas presos no exercício da profissão. Ele diz que, durante a ditadura, existia uma rede de proteção a jornalistas formada por entidades como CNBB, OAB. “No tempo da ditadura, muitas vezes o cara ia preso e não sabia para onde estava sendo levado. Ironia que, na democracia que a gente tem hoje, apesar da precariedade, esses esquemas de proteção estão muito frágeis”, diz.

Ele ainda diz acreditar que Matheus permaneceu preso durante 14 horas por não ser funcionário de um grande grupo de comunicação. “Ele não é um jornalista de um grande grupo, que tem um conjunto de advogados”.

Bones afirma que, durante a tarde, ele entrou em contato com a delegada da 3ª DPPA, Andréa Nicotti, para tentar conseguir a liberação de Matheus, mas não teve resposta positiva. “A delegada me disse: ‘ele não se identificou’. E eu disse para a delegada: ‘eu estou lhe dizendo que ele saiu daqui para cobrir essa pauta, portanto ele não estava na manifestação'”. Como resposta, a delegada teria dito que não poderia fazer nada porque Matheus já tinha sido autuado.

Nesta quinta, a delegada Andréa Nicotti afirmou que Matheus teve a oportunidade de dar a sua versão dos fatos na delegacia, mas preferiu permanecer calado. Ela confirma que conversou com Bones, mas, neste momento, o jornalista já estava no Central.

Ela ainda diz que o fato de Matheus ser jornalista não é impeditivo para a prisão. “Ele pode ser o que quiser, se na hora está cometendo crime. A PM disse que ele estava cometendo o mesmo crime que os outros”, afirma Nicotti, acrescentando ainda que a prisão foi decretada com base nas provas testemunhais e de imagens encaminhadas pela Polícia Militar. “Em algum momento, ele com certeza agiu como criminoso”, disse a delegada.

Por outro lado, Bones pondera que jornais independentes e veículos menores são vítima de discriminação por parte das autoridades. “Senti isso ontem. Fiquei telefonando para tentar algum apoio. Nós estamos desprotegidos”, afirma.

Ele ainda lamenta a falta de apoio de colegas da imprensa após a prisão do repórter. “Assim que circulou a notícia ontem, eu liguei para algumas emissoras de rádio, para alguns colegas, informando. Assim que a notícia chegou a esses programas de rádio, esses com palpiteiros, comentaristas, achistas de um modo de geral, vários deles levantaram a suspeita de que o repórter poderia não ser um repórter. Pô, eu tenho quarenta anos de jornalismo, estou dizendo para os caras que ele era nosso repórter e os caras estão no ar fazendo esse tipo de comentário”.

Bones diz que vai conversar com a Associação Riograndense de Imprensa (Ari), em cujo prédio o  está sediado, e com o Sindicato do Jornalistas para avaliar se emitirá um pedido de retratação dos veículos cujos funcionários colocaram em dúvida o trabalho de Matheus na Sefaz.

“Tu já tem um ambiente nada favorável porque é um jornal pequeno, um jornal local, e tu tem de parte dos colegas das grandes corporações que só eles são jornalistas válidos, só eles são legítimos, o resto é tudo o quê? Talvez seja o pior de tudo isso. Teve um rapaz que até foi no Facebook e pegou umas fotos do Matheus em manifestações e questionou: ‘Ó, ele tá em várias manifestações’. Como se jornalista não pudesse ter uma posição política”.

Confira a íntegra da nota da SSP sobre a prisão do jornalista

ESCLARECIMENTO SOBRE A CUSTÓDIA DE MATHEUS CHAPARINI

A Secretaria da Segurança presta os seguintes esclarecimentos sobre a custódia de Matheus Chaparini, ocorrida em virtude da invasão do prédio da Secretaria da Fazenda, na data de ontem (15):

1. A prisão em flagrante foi efetuada porque, durante todo o tempo, ele estava dentro do prédio invadido, agindo como integrante do grupo militante que praticou a invasão.

2. Ele se identificou como jornalista quando já estava consumada a prisão pelo ato de invasão. Na Delegacia de Polícia, quando da lavratura do auto de prisão em flagrante, negou-se a falar, permanecendo em silêncio e optando por falar somente em juízo.

3. Portanto, a prisão se deu em virtude do ato individual de invasão, do qual ele foi parte ativa, e não do exercício da atividade profissional de jornalista, cujas garantias são historicamente prestigiadas e asseguradas pelos órgãos de segurança do Rio Grande do Sul.

4. Os profissionais de imprensa presentes na ocorrência em questão, respeitando o trabalho da polícia, tiveram garantido o exercício de sua atividade profissional.

5. A Brigada Militar e a Polícia Civil cumpriram suas obrigações funcionais, resguardadas no princípio constitucional de que todos são iguais perante a lei. Eventuais equívocos serão apurados nos termos da legislação em vigor.

6. Ao Poder Judiciário, no momento oportuno, caberá decidir sobre a responsabilidade penal dos adultos presos e indiciados no ato, garantido o contraditório e a ampla defesa.

Conheça a TV 247

Ao vivo na TV 247 Youtube 247