Variante mu: o que você precisa saber a respeito

É possível que as alterações genéticas de mu possam torná-la mais transmissível, permitir que cause sintomas mais graves e torná-la mais capaz de escapar da resposta imune proporcionada por vacinas ou infecção com variantes anteriores. Isso, por sua vez, pode deixá-la menos suscetível a tratamentos

(Foto: NIH/Divulgação via Reuters)
Siga o Brasil 247 no Google News

Na Rede Brasil Atual

Por Luke O'Neill

Tradução livre a partir de The Conversation – A Organização Mundial da Saúde (OMS) adicionou outra variante do coronavírus à sua lista para monitorar. É a chamada variante mu, que foi designada variante de interesse (VOI). Isso significa que a mu tem diferenças genéticas em relação a outras variantes conhecidas e está causando infecções em vários países, portanto, pode representar uma ameaça específica à saúde pública.

PUBLICIDADE

É possível que as alterações genéticas de mu possam torná-la mais transmissível, permitir que cause sintomas mais graves e torná-la mais capaz de escapar da resposta imune proporcionada por vacinas ou infecção com variantes anteriores. Isso, por sua vez, pode deixá-la menos suscetível a tratamentos.

Observe a palavra “pode”. Uma VOI não é uma variante de preocupação (VOC), que é uma variante que comprovadamente adquire uma dessas características, tornando-se mais perigosa e, portanto, mais consequente. A Mu está sendo monitorada de perto para que se avalie se ela deve ser redesignada como uma VOC. Esperamos que não.

Existem quatro outras VOIs sendo monitoradas pela OMS – eta, iota, kappa e lambda – mas nenhuma deles foi reclassificada como VOC. Este pode ser o caso com a mu também, contudo, temos que aguardar mais dados.

PUBLICIDADE

O que torna a mu particularmente interessante (e preocupante) é que ela tem o que a OMS chama de “constelação de mutações que indicam propriedades potenciais de escape imunológico”. Em outras palavras, tem a marca de ser capaz de contornar a proteção da vacina existente.

Onde a variante mu está se espalhando?

A variante mu foi vista pela primeira vez na Colômbia em janeiro de 2021, quando recebeu a designação de B1621. Desde então, foi detectada em 40 países , mas acredita-se que atualmente seja responsável por apenas 0,1% das infecções em todo o mundo.

Mu tem sido muito mais prevalente na Colômbia do que em qualquer outro lugar. Ao observar as amostras de coronavírus que foram sequenciadas geneticamente, 39% das analisadas na Colômbia foram mu – embora nenhuma amostra de mu tenha sido registrada lá nas últimas quatro semanas.

PUBLICIDADE

Em contraste, 13% das amostras analisadas no Equador foram mu, com a variante representando 9% das amostras sequenciadas nas últimas quatro semanas, enquanto no Chile pouco menos de 40% das amostras sequenciadas foram identificadas como mu no último mês. Isso sugere que o vírus não está mais circulando somente na Colômbia, mas está também sendo transmitido em outros países sul-americanos próximos.

Até agora, 45 casos foram identificados no Reino Unido por meio de análises genéticas e, ao que parece, que vieram do exterior. No entanto, como nem todos os casos de covid-19 acabam sendo sequenciados para ver quais variantes são, é possível que a prevalência de mu no Reino Unido seja maior.

Quão perigoso é isso?

As questões principais são se a variante mu é mais transmissível do que a variante dominante atualmente, delta, e se pode causar quadros mais graves da doença.

PUBLICIDADE

Mu tem uma mutação chamada P681H, relatada pela primeira vez na variante alfa, que é potencialmente responsável por uma transmissão mais rápida. No entanto, este estudo ainda está em fase de preprint, o que significa que suas descobertas ainda precisam ser revisadas formalmente por outros cientistas. Não podemos ter certeza dos efeitos do P681H no comportamento do vírus ainda.

Ela também tem as mutações E484K e K417N, que estão associadas à capacidade de evadir anticorpos contra o coronavírus – as evidências sobre isso são mais concretas. Essas mutações também ocorrem na variante beta e, portanto, é possível que mu se comporte como a beta , contra a qual algumas vacinas são menos eficazes.

A variante Mu também tem outras mutações – incluindo R346K e Y144T – cujas consequências são desconhecidas, daí a necessidade de análises adicionais.

Mas será que a mu pode realmente escapar da imunidade pré-existente? Por enquanto, há apenas informações limitadas sobre isso, com um estudo de um laboratório em Roma mostrando que a vacina Pfizer/BioNTech foi menos eficaz contra a variante mu em comparação com outras variantes, quando testada em um experimento baseado em laboratório. Apesar disso, o estudo ainda considerou robusta a proteção oferecida contra pela vacina. Na verdade, ainda não sabemos se as mutações de mu se traduzirão em aumento de infecções e doenças.

Relatórios impressionantes sobre a mu têm aparecido, no entanto. No final de julho, uma estação de notícias da Flórida relatou que 10% das amostras sequenciadas na Universidade de Miami identificavam a variante mu. No início de agosto, a Reuters relatou que sete residentes totalmente vacinados de um asilo na Bélgica morreram de um surto de mu. No entanto, esses são instantâneos limitados do comportamento da variante.

O que acontece depois?

Mu é a primeira nova variante a ser adicionada à lista da OMS desde junho.

Quando uma variante é designada de interesse, a OMS realiza uma análise comparativa das características da nova variante, avaliando como ela se compara a outras que também estão sendo monitoradas, pedindo aos seus Estados membros que reúnam informações sobre a incidência e os efeitos da variante. Isso está em andamento e significa que a Public Health England está de olho nisso.

A designação da mu como um VOI reflete a preocupação generalizada sobre a possibilidade de novas variantes emergentes que podem ser problemáticas. A variante delta mais transmissível que está ocorrendo em muitos países, especialmente entre os não vacinados, mostra como as variantes virais podem mudar o curso da pandemia de maneira rápida e significativa.

Cada vez que o vírus se reproduz dentro de alguém, há uma chance de ele sofrer mutação e uma nova variante emergir. Este é um jogo de números. É um processo aleatório, um pouco como jogar dados. Quanto mais você rola, maior a chance de novas variantes aparecerem. A principal forma de interromper as variantes é a vacinação global.

O surgimento da mu nos lembra o quão importante esse objetivo permanece. Muitas pessoas, especialmente nos países em desenvolvimento, permanecem não vacinadas. Devemos levar vacinas a esses países o mais rápido possível, tanto para ajudar as pessoas vulneráveis ​​como para impedir o surgimento de novas variantes. Caso contrário, nossa saída da pandemia será postergada, possivelmente por meses a fio.

Texto original aqui

Luke O’Neill é professor de Bioquímica do Trinity College Dublin

Inscreva-se no canal de cortes da TV 247 e saiba mais:

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

PUBLICIDADE

Cortes 247

PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email