Vereador desafia Vilela a enfrentar julgamento

O vereador por Maceió, Wilson Junior (PDT), desafia o governador Vilela (PSDB-AL) a autorizar o Superior Tribunal de Justiça (STJ) a julgá-lo no processo em que é denunciado pelo Ministério Público Federal (MPF).  O chefe do Executivo alagoano foi apontado como beneficiário do esquema de corrupção montado pelo empreiteiro Zuleido Veras, dono da construtora Gautama, por meio de contratos superfaturados. O MPF conclui que Vilela teria sido beneficiado com meio milhão de reais. O processo contra o governador está parado pelo fato de a Assembleia Legislativa de Alagoas não ter autorizado o STJ a dar seguimento

Vereador desafia Vilela a enfrentar julgamento
Vereador desafia Vilela a enfrentar julgamento

Alagoas247 - Ao se referir ao sentimento de impunidade que causa indignação à população em geral, o vereador Wilson Júnior (PDT) fez um desafio ao governador Teotonio Vilela Filho (PSDB), na última sexta-feira, para que tome a iniciativa de autorizar o Superior Tribunal de Justiça (STJ) a dar seguimento no processo que é movido contra ele. A ação do STJ é resultado de denúncia formulada pelo Ministério Público Federal (MPF) contra 61 pessoas, em razão da célebre Operação Navalha, desencadeada pela Polícia Federal em 2006.

O caso foi identificado pelo MPF como ação de um “sofisticado grupo criminoso” liderado pelo empreiteiro Zuleido Veras, proprietário da construtora Gautama. O processo contra Vilela está parado pelo fato de a Assembleia Legislativa de Alagoas não ter autorizado o STJ a dar seguimento.

“O desafio procede, porque quem não deve não teme e se dispõe a abrir mão da imunidade, do foro privilegiado”, afirmou o vereador Wilson, lembrando o novo momento em que vive o país, com a juventude cobrando ética e transparência dos homens públicos.

“O chefe do Executivo foi apontado como beneficiário do esquema de corrupção montado por Zuleido, por meio de contratos superfaturados. É o Ministério Público Federal quem conclui que ele recebeu meio milhão de reais em forma de propina. O MPF vai aos detalhes: foram dois pagamentos de R$ 200 mil e um de R$ 100 mil, feitos na tal da ‘casinha amarela’, localizada na Rua Albino Magalhães, 105, no Farol, de propriedade da esposa do governador. Tudo com fotos, agendas e degravações de escutas telefônicas autorizadas pela Justiça”, explica o parlamentar maceioense.

Com gazetaweb.com

 

Conheça a TV 247

Ao vivo na TV 247 Youtube 247