Volta às aulas: como economizar até 200%

Produtos da lista de material, como o giz de cera, podem ter uma variao de 200% entre alguns estabelecimentos no Grande Recife. Consultor financeiro d dicas de como os pais podem economizar neste comeo de ano.

Volta às aulas: como economizar até 200%
Volta às aulas: como economizar até 200% (Foto: Poznyakov/Shutterstock)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Tércio Amaral_PE247

– Todo ano é “aquela agonia”. Papelarias e livrarias lotadas, crianças e pais disputando produtos e espaço dentro das lojas. “Eu sempre levo meus filhos, mas nunca dá muito certo. Este ano, os dois vão ficar em casa”, conta a dona de casa Vanessa da Silva, mãe de um garoto de 9 anos e de uma menina de 7. Segundo ela, este ano é o da “economia”, pois, seu marido trocou de emprego e houve uma redução do salário. “Continuamos com a escola particular, mas temos que economizar em outros gastos para ajustar as contas”, relata.

A economia, para Vanessa, é uma necessidade. Para outros pais e mães, também pode ser a garantia de mais dinheiro em casa. De acordo com uma pesquisa do Programa de Orientação e Proteção ao Consumidor (Procon-PE), divulgada esta semana, a variação de preços na lista escolar no Grande Recife, a exemplo de lápis de cor e giz de cera, pode chegar a 200%. “Para driblar este cenário de preços altos, só com planejamento. Os pais devem pesquisar duas ou três livrarias antes de ir comprando”, aconselha o consultor financeiro e professor da Faculdade Boa Viagem (FBV) Marcelo Barros.

Segundo Marcelo, o ideal seria que os pais aproveitassem o final do e ano e realizassem as compras de material escolar. Pois, com o décimo 13º em mãos, seria mais fácil negociar descontos com compras à vista. Porém, como o consumidor brasileiro deixa, em geral, as compras para última hora, a dica é se unir. “Cerca de sete a oito pais de alunos podem organizar uma página numa rede social. Todos mandam uma lista e uma pessoa fica encarregada por comprar numa única loja. Com isso, aumenta o poder de desconto, que fica em torno de 22%”, diz.

O consultor também dá dicas de comportamento. Segundo ele, levar as crianças é um risco previsível de aumento nas contas. Seduzidas por marcas e personagens, elas podem desejar produtos que são 30% mais caros comparados aos sem apelo comercial. “Além desses cuidados, é importante pechinchar mesmo. Procurar um gerente, pedir um desconto. Muitos poderão negociar com os pais valores que chegam aos 15% na hora da compra. Na compra de livros os sebos também são uma boa alternativa”, argumenta.

A pesquisa do Procon-PE, realizada em dezembro passado, em 19 livrarias e papelarias do Grande Recife, utilizou como base 37 itens da lista e revelou que o consumidor pode economizar nesta época do ano. Somando todos os itens mais baratos encontrados nos estabelecimentos, a conta fica em R$ 102. Se forem levados em consideração todos os produtos mais caros, a lista fica mais “salgada”, ao custo de R$ 166,00. A diferença final é de R$ 63,00.

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

WhatsApp Facebook Twitter Email