Anistia Internacional vs. França: Macron rejeita relatório que condena crime de apartheid cometido por Israel contra palestinos

O discurso de Macron -- que se candidata à reeleição este ano -- declara que “Jerusalém é a capital eterna do povo judeu”

www.brasil247.com - Emmanuel Macron
Emmanuel Macron (Foto: Reuters)


Leonardo Sobreira, do 247, com The Electronic Intifada - O relatório da ONG pelos Direitos Humanos Anistia Internacional 'Israel’s apartheid against Palestinians: Cruel system of domination and crime against humanity', publicado no dia 1 de fevereiro deste ano, denuncia as práticas de fragmentação territorial, segregação e controle, desapropriação de terras e propriedades, e negação de direitos econômicos e sociais aplicados por Israel contra o povo palestino. 

Contudo, o governo francês insiste em negar a existência do crime contra a humanidade em Israel, que adquiriu tal caráter a partir do Estatuto de Roma, adotado em 17 de julho de 1998 pela Corte Penal Internacional. 

Diante do jantar de gala do Conseil représentatif des institutions juives de France (Crif) -- considerado um lobby por Esther Benbassa, diretora de estudos da École Pratique des Hautes Études (Sorbonne) -- o primeiro-ministro francês Jean Castex, lendo um discurso elaborado por Emmanuel Macron, declarou: 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

“Não é aceitável, em nome de uma luta justa pela liberdade, que as organizações usem erroneamente termos historicamente carregados e vergonhosos para descrever o Estado de Israel”.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

"Como alguém ousa falar de apartheid em um estado onde os cidadãos árabes estão representados no governo, parlamento e ocupam cargos de responsabilidade e liderança?”. 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

A presença simbólica de cidadãos palestinos de Israel em vários órgãos israelenses é frequentemente utilizada por defensores da opressão israelense como um escudo para a discriminação e opressão sistemática.

O discurso de Macron -- que se candidata à reeleição este ano -- também declara que “Jerusalém é a capital eterna do povo judeu”.

“Isso não impede ninguém de reconhecer e respeitar o apego de outras religiões a esta cidade”, acrescenta o comunicado do presidente.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Assine o 247, apoie por Pix, inscreva-se na TV 247, no canal Cortes 247 e assista: 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Quero ser membro. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cortes 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email