Bloomberg diz que resposta à crise deve ser pacote bilionário em infraestrutura e energia limpa

"Uma das melhores maneiras de restaurar a fé na economia quando a emergência de saúde pública diminuir seria garantir que ela coincida com o maior investimento público em infraestrutura em gerações", diz o empresário Michael Bloomberg, que desistiu de disputar a presidência dos Estados Unidos e defende investimentos bilionários em energia limpa

Michael Bloomberg
Michael Bloomberg (Foto: REUTERS / Brian Snyder)

Por Michael Bloomberg, na Bloomberg - Nunca antes uma emergência de saúde pública criou uma paralisia econômica tão generalizada. Enquanto oficiais do governo trabalham para diminuir a propagação do coronavírus, tratar os aflitos e salvar vidas, é essencial que o Congresso e o presidente tomem medidas imediatas para estabilizar uma economia perigosamente instável e estabeleçam as bases para a recuperação a longo prazo.

A lei de alívio, encabeçada pela presidente da Câmara dos Deputados Nancy Pelosi e sancionada pelo presidente Donald Trump na quarta-feira, foi um primeiro passo importante para ajudar os trabalhadores americanos atingidos pela crise. Suas principais disposições - incluindo a criação de férias temporárias remuneradas para muitos trabalhadores, a extensão do seguro-desemprego e o fornecimento de mais financiamento para cupons de alimentos e seguro de saúde infantil - fortalecerão a rede de segurança social do país.

Mas isso deve ser apenas o começo. Em todo os EUA, pequenas e grandes empresas estão fechando as portas e, ao fazê-lo, estão sacando suas linhas de crédito para pagar suas contas. Obter ajuda agora é absolutamente urgente - tanto para sua sobrevivência quanto para proteger o sistema financeiro do choque que certamente ocorrerá.

Em 2008, o Congresso concedeu à administração e ao Federal Reserve autoridade para impedir que uma crise financeira se tornasse uma catástrofe em toda a economia. Agora, ele deve estender os mesmos tipos de autoridade para impedir que uma catástrofe em toda a economia mine o sistema financeiro essencial para a recuperação.

Esses poderes de emergência foram exercidos de forma eficaz pelas administrações Bush e Obama, incluindo o uso de um fundo de estabilização cambial para garantir fundos do mercado monetário, protegendo milhões de investidores individuais e garantindo que haja um mercado para as empresas emitirem papéis comerciais. Hoje, o Congresso deve novamente agir rapidamente para dar à administração os poderes de emergência que possam ser necessários para manter o sistema financeiro e a economia unidos.

Estabilizar a economia agora e ajudar as empresas a sobreviver devem ser a prioridade número um. Mas fornecer alívio imediato não deve ser a única estratégia para alcançar esses objetivos.

Nos próximos meses, quando a emergência de saúde pública desacelerar e, esperamos, passar, um dos obstáculos fundamentais para restaurar o crescimento econômico será a incerteza pública. Os consumidores não retomarão os gastos, as empresas não recontratarão os trabalhadores e os investidores não deixarão refúgios até que tenham certeza de que estamos no caminho da recuperação. Em outras palavras, a crise econômica que as comunidades americanas enfrentarão poderia durar muito mais que a emergência da saúde pública - a menos que Washington tome medidas decisivas agora para estabelecer as bases para a recuperação.

O atraso apenas prolongará a dor. Mas uma ação rápida - dando aos mercados e às empresas das ruas principais algo de positivo - pode estancar algumas das perdas agora e acelerar a recuperação posteriormente, para que emergamos dessa crise uma nação mais forte.

Uma das melhores maneiras de restaurar a fé na economia quando a emergência de saúde pública diminuir seria garantir que ela coincida com o maior investimento público em infraestrutura em gerações. Sei como prefeito de Nova York que o investimento público em infraestrutura é uma maneira altamente eficaz de aumentar o investimento do setor privado e a atividade comercial - e inspirar confiança no futuro.

Ao mesmo tempo, um projeto de lei de infraestrutura é uma chance de construir a economia de energia limpa de que nosso país precisa - e criar os empregos necessários para isso. O projeto de lei deve incluir grandes novos investimentos em energia eólica e solar, uma rede nacional de transmissão, eficiência energética para edifícios e a indústria de fabricação de veículos elétricos, que beneficiará as montadoras dos EUA. Esses investimentos criarão milhões de novos empregos, inclusive para muitos americanos que perdem o trabalho nas indústrias de petróleo, gás e carvão.

Se o Congresso aprovar uma grande lei de infraestrutura e energia limpa antes do recesso de abril, as escavadeiras poderão começar a cair no chão quando trabalhadores, empresas e investidores estiverem procurando sinais de esperança, indicações de crescimento e razões para acreditar que o pior já passou. E, embora possa levar anos para concluir um projeto, o ato de investir - e colocar as pessoas para trabalhar - envia exatamente o tipo de sinal para o mercado que nosso país precisará.

Na minha campanha para presidente, delineei um plano abrangente para reparar a infraestrutura existente nos Estados Unidos - 47.000 pontes e 2.000 barragens exigem reparos críticos, para iniciantes - e modernizá-lo para reduzir o congestionamento do tráfego, reduzir a poluição e as emissões de carbono, melhorar a resiliência e estimular novas economias. oportunidade, inclusive estendendo a banda larga a comunidades que não a possuem.

Esses tipos de investimentos eram muito necessários antes do coronavírus começar a devastar nossa economia. Agora, eles são absolutamente imperativos. E, embora não sejam uma cura para tudo - nada existe - eles ajudarão a restaurar a fé no futuro do país em um momento em que precisaremos muito disso.

Brasil 247 lança concurso de contos sobre a quarentena do coronavírus. Participe do concurso

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247