Destino da nova ordem mundial depende do sucesso da Rússia na Ucrânia, diz chefe da inteligência russa

"O universalismo liberal obsoleto" do presente pode e deve "ser substituído por uma nova ordem mundial -- uma que seja justa e sustentável", disse Sergei Naryshkin

www.brasil247.com -
(Foto: Sputnik)


Sputnik - Toda a “arquitetura da ordem mundial” que está por vir depende do sucesso da operação militar russa na Ucrânia, disse o diretor de Inteligência Estrangeira Sergei Naryshkin.

“A ferocidade do confronto indica claramente que se tratava de muito mais do que o destino do regime em Kiev. Na verdade, a arquitetura de toda a ordem mundial está em jogo. É bastante difícil prever seus contornos específicos com base na situação atual, mas podemos dizer com certeza que não haverá retorno ao antigo”, escreveu Naryshkin em um artigo publicado na Revista de Defesa Nacional da Rússia.

Em vez disso, sugeriu o chefe da inteligência, "o universalismo liberal obsoleto" do presente pode e deve "ser substituído por uma nova ordem mundial -- uma que seja justa e sustentável".

Naryshkin expressou confiança de que a operação militar russa na Ucrânia poria fim às tentativas de transformar a Ucrânia “em um estado fantoche russofóbico” que constrói sua identidade “com base na negação maníaca e demonização de tudo o que a liga objetivamente à Rússia”.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Naryshkin acusou os Estados Unidos de usar “os métodos mais vis” para tentar arrastar a operação militar russa, incluindo o envio de militantes na Ucrânia para organizar um movimento terrorista clandestino. Washington, ele está convencido, agora tem o objetivo central de prolongar o conflito o máximo possível, para torná-lo o mais caro possível para Moscou e Kiev.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

“A OTAN, como enfatizam os ‘estrategistas’ dos EUA, deveria tentar transformar a Ucrânia em ‘uma espécie de Afeganistão’. Para qualquer um com a menor familiaridade com história e geografia, a total inadequação e fracasso estratégico de tal analogia é óbvia”, escreveu. Ele acrescentou que isso é de se esperar de líderes ocidentais que confundem cidades ucranianas e russas ou sugerem que regiões russas inteiras são realmente parte da Ucrânia.

A crise da Ucrânia serve como evidência de que os Estados Unidos hoje são uma hegemonia global exagerada, sugeriu Naryshkin. “Está surgindo uma situação bastante interessante, que lembra um pouco a história do final da União Soviética, na qual o Ocidente, liderado pelos Estados Unidos, tenta impor diretrizes ideológicas ao mundo em que ele mesmo não acredita e cujas próprias ações refuta constantemente.”

De acordo com o chefe de espionagem, o desejo dos EUA de manter seu papel de hegemonia global está empurrando o país para um perigoso aventureirismo militar e político – algo que os líderes de países ao redor do mundo estão acompanhando de perto.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

“Todos eles, incluindo aliados dos EUA, não são avessos a testar a força do hegemon enfraquecido expandindo os limites do que é possível em sua própria política externa e doméstica”, sugeriu Naryshkin. Como prova, ele apontou a decisão da grande maioria dos países asiáticos, africanos e até latino-americanos de não aderir às sanções anti-russas do Ocidente.

Até mesmo aliados que até o momento foram leais aos EUA desafiaram a hegemonia de Washington, escreveu Naryshkin, apontando para a recente recusa do príncipe herdeiro saudita Mohammed bin Salman em aumentar a produção de petróleo a pedido do presidente Biden, ou a refutação do primeiro-ministro paquistanês Imran Khan aos embaixadores do Ocidente exigindo que Islamabad condene as ações da Rússia na Ucrânia, perguntando se o Paquistão era "escravo" do Ocidente.

"Do ponto de vista dos políticos dos EUA, os líderes da Turquia, Índia e Emirados Árabes Unidos estão se comportando de forma não menos 'insolente'. Ao mesmo tempo, [as elites dos EUA] admitem amargamente que não podem mais falar com parceiros 'no espírito dos tempos de [George W.] Bush. Sic transit gloria mundi – assim passa a glória do mundo", escreveu Naryshkin.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Em última análise, Naryshkin sugeriu que "uma etapa fundamentalmente nova na história europeia e mundial está se desenrolando diante de nossos olhos. Sua essência está no colapso do mundo unipolar e um sistema de relações internacionais baseado no direito do mais forte, ou seja, os Estados Unidos, para destruir outros Estados e assim evitar a menor possibilidade de sua transformação em centros alternativos de poder. Esses objetivos foram perseguidos na Iugoslávia, Afeganistão, Iraque, Líbia e Síria. Este foi também o objetivo dos esforços ocidentais para atrair a Ucrânia para sua esfera. Hoje, a Rússia está desafiando abertamente esse sistema criando um mundo verdadeiramente multipolar que nunca existiu antes e do qual todos, até mesmo nossos adversários atuais, se beneficiarão no futuro."

O chefe da inteligência estrangeira russa continuou expressando sua convicção de que as elites ocidentais estão usando a crise na Ucrânia para implementar planos de longa data para reprimir sua própria classe média.

"Agora, graças à 'cruzada' contra a Rússia anunciada pelos EUA e seus satélites, os cidadãos dos EUA e dos países da UE enfrentam um aumento sem precedentes no preço do combustível, eletricidade e alimentos, a perspectiva da introdução de cartões de racionamento e o desligamento de [fontes de aquecimento], o que, ao que parece, pode ser facilmente compensado 'usando camisolas'. E tudo isso sob o pretexto de ajudar o povo ucraniano, embora os próprios ucranianos não são nem quentes nem frios com essas medidas", escreveu Naryshkin.

"Tem-se a impressão de que as elites ocidentais estão simplesmente usando a situação que se desenvolveu para implementar planos há muito acalentados para a liquidação de fato da classe média no espírito do conhecido cenário proposto pelo Fórum Econômico Mundial em Davos: que em 2030, 'você não terá nada e será feliz'", acrescentou.

Assine o 247, apoie por Pix, inscreva-se na TV 247, no canal Cortes 247 e assista: 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cortes 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email