‘Política habitacional não é assunto de banco’, diz Raquel Rolnik

Urbanista criticou programa Minha Casa, Minha Vida e propôs medidas emergenciais para atual crise de moradia; veja vídeo na íntegra

www.brasil247.com -
(Foto: Guilherme Santos/Sul21)


Opera Mundi - No programa 20 MINUTOS ENTREVISTAS desta sexta-feira (11/03), o jornalista Breno Altman entrevistou Raquel Rolnik, arquiteta e urbanista, professora da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo e escritora sobre a crise de moradia da cidade de São Paulo, agravada com a pandemia.

"O futuro das cidades está em disputa. O que foi evidenciado pela pandemia foi o grau de toxicidade da forma como organizamos as cidades e nossa relação com os territórios. Só uma parcela muito pequena da população pode fazer o isolamento social, quem precisou continuar se deslocando não foi, nem nunca é, alvo de políticas públicas", começou refletindo.

Segundo Rolnik, isso não é por acaso. "A insustentabilidade da vida urbana não é falta de planejamento", é fruto de um modelo de exclusão territorial, de uma política pensada a partir dos "desenhos e desejos" do capital imobiliário e capital financeiro, "não das necessidades das pessoas".

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

"Estamos vivendo a pior crise de moradia que São Paulo já viveu em sua história. E, mesmo assim, temos um boom imobiliário, no momento em que explode o número de pessoas sem casa. Tem a ver com uma dinâmica financeira que nada tem a ver com demanda, por isso as políticas habitacionais são nulas", enfatizou.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Para a urbanista, até hoje a questão da moradia não foi abordada da forma correta, sempre focada na construção de novas unidades a partir de parcerias público-privadas. “Existem várias outras opções, existe assistência técnica de autogestão, a questão dos aluguéis para além de repassar recursos públicos para que bancos e construtoras foquem na construção de novas unidades. Política habitacional não é assunto de banco. Deixar a gestão de construções na mão dos bancos já mostra a que vieram as políticas habitacionais que vimos no passado. Temos que repensar como podemos gerir a questão da moradia. O bom é que nada é irreversível quando se trata de política urbana”.

Minha Casa, Minha Vida

Rolnik avaliou o mais conhecido programa habitacional do país, o Minha Casa, Minha Vida, e propôs uma série de medidas emergenciais e de longo prazo para a atual crise.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

“O programa Minha Casa, Minha Vida foi a versão brasileira da financerização da moradia, desenhado num diálogo entre as construtoras e o mercado financeiro. Introduziu a ideia do subsídio público para a moradia, só que, a única forma de o privado obter alguma rentabilidade com as características do programa era construir em um terreno muito barato. Terreno muito barato é aquele que não tem cidade”, afirmou, reforçando que os locais onde as unidades eram construídas tampouco contavam com serviços de transporte, saúde ou educação.

Recentemente, o ex-presidente Lula afirmou que faria reparos ao programa. Anteriormente, o Minha Casa, Minha Vida destinava 1% de seus recursos para apoiar iniciativas de autogestão urbanas e rurais, organizadas a partir dos próprios movimentos sociais. Lula expressou sua intenção de aumentar a porcentagem de recursos que o programa destina a essa parcela.

Entretanto, de acordo com Rolnik, a medida não seria suficiente. Aliás, faria pouca diferença: "Você está enfiando uma cooperativa num modelo criado para as construtoras. As construtoras correm para comprar os terrenos com o recurso, agora imagina movimento popular tentando disputar compra com essas empresas?"

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

"A questão é que temos a colonização do espaço pelas finanças. Um imóvel é um ativo. Precisamos abandonar formas de gestão mercantilizadas para formas mais coletivas, como cooperativas, maneiras de ocupação e apropriação do espaço juntamente com um controle do mercado financeiro nessa esfera", defendeu.

Para ela, o primeiro passo nesse sentido é criar um plano participativo. Realizar reflexões e trabalhar com as pessoas que historicamente estiveram fora do debate de gestão urbana.

Pensar num plano emergencial passa por essa reflexão. "Temos que considerar mobilizar espaços já construídos e sub-utilizados para moradia, que é uma velha reivindicação dos movimentos populares por moradia. Também acho muito importante que a gente consiga apoiar iniciativas descentralizadas de urbanização e consolidação de assentamentos, mobilizando assistência técnica de habitação e urbanismo para auxiliar esses processos. O novo governo não vai dar conta de realizar a crise por inteiro, mas pode dar forças e recursos para os projetos e movimentos que buscam uma gestão coletiva e descentralizada", propôs.

Aliado a uma política emergencial, Rolnik ponderou sobre um plano no longo prazo. Sugeriu, por exemplo, a criação de um plano autônomo para cooperativas e movimentos como o MTST, em vez de incluí-los no Minha Casa, Minha Vida. Citou, também, a criação de uma política de controle de aluguéis e ressaltou que cada política pública criada deve ser pensada de maneira personalizada, “a partir das condições reais que temos nos municípios, estados e federação”.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cortes 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email