Vijay Prashad explica decadência da economia capitalista global

Segundo o historiador indiano, as políticas anti-inflacionárias dos países ricos não vão aliviar o ônus sobre os trabalhadores e os países endividados do Sul Global

www.brasil247.com - Vijay Prashad | Recessão nos EUA
Vijay Prashad | Recessão nos EUA (Foto: Divulgação | Reuters)


Um artigo de Vijay Prashad*, originalmente publicado por Tricontinental: Instituto de Pesquisa Social, sob o título ‘We Need to Build the Architecture of Our Future’ [Precisamos Construir a Arquitetura do Nosso Futuro], traduzido mecanicamente pelo ConsortiumNews. Com revisão manual do Brasil 247.

A arquitetura do nosso futuro

As políticas anti-inflacionárias conduzidas pelos EUA e pela zona do euro não vão aliviar os encargos da classe trabalhadora em seus países e certamente não no Sul Global endividado, escreve Vijay Prashad

rivera
Diego Rivera (Mexico), Frozen Assets, 1931(Photo: Divulgação)

Em abril, as Nações Unidas estabeleceram o Grupo Global de Resposta a Crises sobre Alimentos, Energia e Finanças. Este grupo está acompanhando as três principais crises de inflação de alimentos, inflação de combustíveis e dificuldades financeiras. Em seu segundo briefing, divulgado em 8 de junho, observou que, após dois anos da pandemia do Covid-19: 

“a economia mundial foi deixada em um estado frágil. Hoje, 60% dos trabalhadores têm rendimentos reais mais baixos do que antes da pandemia; 60 por cento dos países mais pobres estão em situação de sobre-endividamento ou em alto risco; os países em desenvolvimento perdem US$ 1,2 trilhão por ano para preencher a lacuna de proteção social; e US$ 4,3 trilhões são necessários por ano – mais dinheiro do que nunca – para cumprir os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS).”

Esta é uma descrição perfeitamente razoável da situação global angustiante, e é provável que as coisas piorem.

De acordo com o Grupo de Resposta às Crises Globais da ONU, a maioria dos Estados capitalistas já cancelaram os fundos de ajuda que forneceram durante a pandemia. “Se os sistemas de proteção social e as redes de segurança não forem ampliados adequadamente”, diz o relatório, “as famílias pobres nos países em desenvolvimento que enfrentam a fome podem reduzir os gastos relacionados à saúde; as crianças que abandonaram temporariamente a escola devido ao Covid-19 podem agora estar permanentemente fora do sistema educacional; ou pequenos proprietários ou microempreendedores podem fechar suas lojas devido a contas de energia mais altas.

O Banco Mundial informa que os preços dos alimentos e combustíveis permanecerão em níveis muito altos até pelo menos o final de 2024. À medida que os preços do trigo e das oleaginosas aumentaram, relatórios estão chegando de todo o mundo – inclusive em países ricos – de que as famílias da classe trabalhadora começaram a pular refeições. Esta tensa situação alimentar levou a advogada especial da secretaria-geral das Nações Unidas (ONU) para o financiamento inclusivo e o desenvolvimento, a rainha Máxima da Holanda, a prever que muitas famílias passarão a fazer uma refeição por dia, o que, diz ela, “será o fonte de ainda mais instabilidade no mundo. O Fórum Econômico Mundial acrescenta que estamos no meio de “uma tempestade perfeita” se você levar em conta o impacto do aumento das taxas de juros nos pagamentos de hipotecas, bem como salários inadequados. A diretora-gerente do Fundo Monetário Internacional, Kristalina Georgieva-Kinova, disse no final do mês passado que o “horizonte escureceu”.

portinari
Cândido Portinari, Brasil, “Café”, 1935(Photo: Divulgação)

Essas avaliações vêm de pessoas no centro de poderosas instituições globais – FMI, Banco Mundial, FEM e ONU (e até mesmo de uma rainha). Embora todos reconheçam a natureza estrutural da crise, eles relutam em ser honestos sobre os processos econômicos subjacentes, ou mesmo sobre como dar nomes adequados à situação.

Recessão capitalista

David M. Rubenstein, chefe da empresa global de investimentos The Carlyle Group, disse que, quando fazia parte do governo do presidente dos EUA Jimmy Carter, seu conselheiro de inflação, Alfred Kahn, os alertou para não usar a palavra “R” – recessão – que “assusta as pessoas”. Em vez disso, aconselhou Kahn, use a palavra “banana”. Nesse sentido, Rubenstein disse sobre a situação atual: “Não quero dizer que estamos em uma banana, mas diria que uma banana pode não estar tão longe de onde estamos hoje”.

O economista marxista Michael Roberts não se esconde atrás de palavras como banana. Roberts estudou a taxa média global de lucro sobre o capital, que ele mostra estar caindo, com pequenos reveses, desde 1997. Essa tendência foi exacerbada pela crise financeira global de 2007-08, que levou à Grande Recessão em 2008. Desde então, ele argumenta, a economia mundial está nas garras de uma “longa depressão”, com a taxa de lucro em um mínimo histórico em 2019 (pouco antes da pandemia).

“O lucro impulsiona o investimento no capitalismo”,  escreve Roberts, “e, portanto, a queda e a baixa lucratividade levaram a um baixo crescimento no investimento produtivo”.

As instituições capitalistas passaram do investimento na atividade produtiva para, como diz Roberts, “o mundo de fantasia dos mercados de ações e títulos e criptomoedas”. O mercado de criptomoedas, a propósito, entrou em colapso em mais de 60% este ano.

Política imperialista

Lucros cada vez menores no Norte Global levaram os capitalistas a buscar lucros no Sul Global e combater qualquer país (especialmente China e Rússia) que ameace a sua hegemonia financeira e política, com força militar, se necessário.

Medonho é o caminho da inflação, mas a inflação é apenas o sintoma de um problema mais profundo e não sua causa. Esse problema não é apenas a guerra na Ucrânia ou a pandemia, mas algo que é confirmado por dados, mas negado em coletivas de imprensa: o sistema capitalista, mergulhado em uma depressão de longo prazo, não pode se curar. Ainda este ano, o caderno nº 4 sobre a teoria da crise do Tricontinental: Institute for Social Research, escrito pelos economistas marxistas Sungur Savran e E. Ahmet Tonak, estabelecerá esses pontos com muita clareza.

Salvar os ricos

Por enquanto, a teoria econômica capitalista começa com a suposição de que qualquer tentativa de resolver uma crise econômica, como uma crise inflacionária, não deve, como John Maynard Keynes escreveu em 1923, “decepcionar o rentista”. Detentores de títulos ricos e grandes instituições capitalistas controlam a orientação política do Norte Global para que o valor de seu  dinheiro – trilhões de dólares detidos por uma minoria – seja seguro. Eles não podem, como Keynes escreveu há quase cem anos, ficar desapontados.

keynes
John Maynard Keynes, 1933(Photo: National Portrait Gallery London / Divulgação)

As políticas anti-inflacionárias conduzidas pelos EUA e pela zona do euro não vão aliviar o fardo da classe trabalhadora em seus países, e certamente não no Sul Global endividado. O presidente do Federal Reserve dos EUA, Jerome Powell, admitiu que a sua política monetária “causará alguma dor”, mas não em toda a população.

Mais honestamente, o fundador da Amazon, Jeff Bezos, twittou que “a inflação é um imposto regressivo que mais prejudica os menos ricos”.

O aumento das taxas de juros no Atlântico Norte torna o dinheiro muito mais caro para as pessoas comuns naquela região, mas também torna praticamente impossível o empréstimo em dólares para pagar as dívidas nacionais no Sul Global.

Uma outra política

Aumentar as taxas de juros e apertar o mercado de trabalho são ataques diretos à classe trabalhadora e às nações em desenvolvimento.

Não há nada de inevitável na luta de classes dos governos do Norte Global. Outras políticas são possíveis; algumas delas estão listadas abaixo:

  • Taxar os ricos globais. Existem 2.668 bilionários no mundo que valem US$ 12,7 trilhões; o dinheiro que eles escondem em paraísos fiscais ilícitos soma cerca de US$ 40 trilhões. Essa riqueza poderia ser trazida para uso social produtivo. Como observa a Oxfam, os dez homens mais ricos têm mais riqueza do que 3,1 bilhões de pessoas (40% da população mundial).
  • Tributar grandes corporações, cujos lucros aumentaram além da imaginação. Os lucros corporativos dos EUA aumentaram 37%, muito acima da inflação e dos aumentos de remuneração. Ellen Zentner, economista-chefe da empresa líder de serviços financeiros Morgan Stanley, argumenta que, durante a longa depressão, houve uma queda “sem precedentes” na parcela do Produto Interno Bruto auferida pela classe trabalhadora nos Estados Unidos. Ela pediu um retorno a um equilíbrio mais justo entre lucros e salários.
  • Usar essa riqueza social para aumentar os gastos sociais, como fundos para acabar com a fome e o analfabetismo e construir sistemas de saúde, bem como formas de transporte público sem carbono.
  • Instituir controles de preços para bens que especificamente aumentam a inflação – como preços de alimentos, fertilizantes, combustíveis e medicamentos.

A arquitetura do nosso futuro

O grande escritor George Lamming (1927-2022) nos deixou recentemente. Em seu ensaio de 1966, “The West Indian People”, Lamming disse: “a arquitetura do nosso futuro não está apenas inacabada; o andaime mal foi montado.”

george-lamming
George Lamming(Photo: Divulgação)

Este foi um sentimento poderoso de um poderoso visionário, que esperava que sua casa no Caribe, as Índias Ocidentais, tomasse forma em uma região soberana que pudesse aliviar seu povo de grandes problemas. Isso não era para ser. Estranhamente, Georgieva-Kinova, do FMI, citou essa linha em um artigo recente, ao defender a colaboração da região com o FMI. É provável que Georgieva-Kinova e sua equipe não tenham lido todo o discurso de Lamming, pois este parágrafo é instrutivo hoje como era em 1966:

“Há, acredito, um formidável regimento de economistas neste salão. Eles ensinam as estatísticas de sobrevivência. Eles antecipam e alertam sobre o preço relativo da liberdade... [Eu] gostaria apenas que se tivesse em mente a história de um trabalhador comum de Barbados. Quando lhe foi perguntado por outro indiano ocidental que ele não via há cerca de 10 anos, 'e como estão as coisas?', ele respondeu: 'O pasto está verde, mas eles me amarraram com uma corda curta'.”

---

*Vijay Prashad é um historiador, editor e jornalista indiano. Ele é um escritor e correspondente da Globetrotter. Ele é editor da LeftWord Books e diretor do  Tricontinental: Institute for Social Research. Ele é um membro não residente sênior do Instituto Chongyang de Estudos Financeiros, na Universidade Renmin da China. Ele escreveu mais de 20 livros, incluindo The Darker Nations e The Poorer Nations. Seu último livro é Washington Bullets, com introdução de Evo Morales Ayma.

O conhecimento liberta. Quero ser membro. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

Cortes 247

WhatsApp Facebook Twitter Email