Área derrubada da Amazônia em terras indígenas e protegidas é 3 vezes maior que a cidade de SP

Mato Grosso, Amazonas e Rondônia são os estados amazônicos com as maiores áreas de exploração irregular em 2019 e 2020

(Foto: PF / Amazônia Real / Fotos Públicas)
Siga o Brasil 247 no Google News

Brasil de Fato - Resultados do Sistema de Monitoramento de Exploração Madeireira (Rede Simex) indicam que a extração na Amazônia continua ocorrendo de forma ilegal em regiões de proteção integral, reservas indígenas e unidades de conservação de uso sustentável.

Os dados mostram também que, somente no período entre agosto de 2019 e julho de 2020, a área total devastada para retirada de madeira foi três vezes maior que a cidade de São Paulo. Foram 464 mil hectares, mais da metade no Mato Grosso, 15,3% no Amazonas e 15% em Rondonia.

Embora a maior parte desse total tenha ocorrido em imóveis rurais cadastrados, mais de 11% do território explorado se encontram em áreas protegidas. Nas terras indígenas, 24 mil hectares foram atingidos. As situações mais críticas foram observadas nos territórios Tenharim Marmelos (AM), com 6 mil hectares, Batelão (MT), com 5.000 hectares, e Aripuanã (MT), com 3.000 hectares.

PUBLICIDADE

Em unidades de conservação foram 28 mil hectares devastados. Somente no Parna dos Campos Amazônicos (AM), região de proteção integral onde a exploração é totalmente proibida, o estrago chegou a 9 mil hectares. Foi identificada atividade madeireira também em terras não destinadas, áreas públicas em que a extração não é permitida. 

O problema pode ser ainda maior, porque há falta de informações sobre autorizações para o manejo florestal na maioria dos estados. Essa verificação só é possível no Pará e no Mato Grosso. O levantamento envolveu sete dos nove estados da Amazônia Legal, que concentram quase toda a produção brasileira: Acre, Amazonas, Amapá, Mato Grosso, Pará, Rondônia e Roraima,

PUBLICIDADE

“A transparência é fundamental para qualificar o debate sobre o setor florestal na Amazônia e para combater a madeira ilegal. Enviamos pedidos de acesso aos dados via LAI, a Lei de Acesso à Informação, e temos dialogado com todos os órgãos estaduais de meio ambiente visando a construção de uma agenda positiva e o compartilhamento de conhecimento”, ressalta Leonardo Sobral, gerente florestal do Imaflora, umas das organizações responsáveis pelo estudo.

A Rede Simex é composta por pesquisadoras e pesquisadores do Instituto do Homem e Meio Ambiente da Amazônia (Imazon), do Instituto de Conservação e Desenvolvimento Sustentável da Amazônia (Idesam), do Instituto de Manejo e Certificação Florestal e Agrícola (Imaflora) e do Instituto Centro de Vida (ICV).

PUBLICIDADE

Inscreva-se no canal Cortes 247 e saiba mais:

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

PUBLICIDADE

Cortes 247

PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email