Consciência do eleitor sobre proteção da Amazônia cresce na campanha

Para 74%, floresta é importante para o desenvolvimento, segundo pesquisa PoderData. Ação do governo é considerada ruim ou péssima por 51% dos eleitores

www.brasil247.com - Vista aérea da Amazônia após queimadas perto de Apuí, no Amazonas
Vista aérea da Amazônia após queimadas perto de Apuí, no Amazonas (Foto: REUTERS/Ueslei Marcelino)


247 - A consciência sobre a importância da proteção da Amazônia cresceu na reta final das eleições 2022, assim como o grau de informação dos brasileiros sobre o tema. Mais de sete em cada dez eleitores consideram que a preservação do bioma é importante para o desenvolvimento econômico do país. É o que aponta a mais recente pesquisa sobre o assunto encomendada pelo iCS (Instituto Clima e Sociedade) e realizada em setembro. Para 83%, a Amazônia deve estar entre as prioridades dos candidatos a presidente, e passou de 50% o índice dos que consideram ruim ou péssimo o trabalho do governo federal na proteção da floresta (confira a íntegra da pesquisa ao final da matéria).

Para realizar a pesquisa, o Instituto PoderData ouviu 3 mil pessoas nas 27 unidades da Federação nos dias 6 e 7 de setembro. O levantamento aponta que o eleitor passou a valorizar mais o tema Amazônia durante a campanha eleitoral. Os que consideram a preservação importante para o desenvolvimento econômico do país subiram de 65%, detectados na pesquisa de julho, para 74% em setembro. Os que não consideram importante oscilaram dois pontos: de 19% para 17%.

‘Percepção positiva da floresta’

A consulta foi feita logo após a realização dos Festivais Dia da Amazônia 2022. O maior evento cultural já realizado no país para celebração da data reuniu mais de 150 mil pessoas em shows e atividades em oito cidades do país. Os festivais, organizados por dezenas de organizações e movimentos da sociedade civil, contribuíram para o aumento do índice de pessoas que se dizem informadas sobre a Amazônia.

“É muito importante o aumento desse grau de conhecimento e de percepção positiva da floresta. A campanha eleitoral politizou o tema e destacou a importância da proteção da Amazônia na agenda do desenvolvimento, do combate à fome e do bem-estar social”, ressalta o cientista político Fabiano Santos, professor e pesquisador da Uerj (Universidade do Estado do Rio de Janeiro) e coordenador do Legal (Laboratório de Estudos Geopolíticos da Amazônia Legal).

Governo federal reprovado 

O trabalho do governo federal na proteção da Amazônia foi considerado ruim ou péssimo por 51% dos entrevistados, três pontos percentuais a mais do que em junho (48%). Do outro lado, 18% consideraram a atuação do governo federal como boa ou ótima, um ponto a menos. O índice dos que querem a proteção da floresta entre as prioridades dos candidatos a presidente foi de 76% em junho para 83% em setembro.

Sete em cada dez brasileiros também acham que proteger a floresta impacta positivamente no combate à fome: o índice subiu de 62% para 69%. Os que discordam passaram de 23% para 17%. Os pesquisadores perguntaram a cada eleitor se a chance de votar em um candidato aumentaria ou diminuiria se o postulante apresentasse um plano para proteger a Amazônia. O índice foi subindo ao longo da campanha: de 58% para 69% este mês. 

A pesquisa detectou não só que o brasileiro dá cada vez mais atenção à Amazônia, mas também que, na hora de votar, leva o tema em consideração. Perguntados se a proteção da Amazônia deve ser uma prioridade para os candidatos a presidente, 83% disseram que sim. O índice é um pouco menor na Região Norte, embora a grande maioria concorde: 67%. O maior índice foi registrado no Centro-Oeste: 94%. 

A grande maioria disse também que sua chance de votar em um candidato aumenta se ele apresentar um plano específico para proteger a Amazônia: 69%. Em julho, o percentual era de 62%. 

O desafio do Norte 

Um ponto desafiador levantado pela pesquisa, segundo Fabiano Santos, é o grau menor de percepção dos eleitores da Região Norte, comparativamente às demais regiões, sobre a importância da proteção da floresta para o desenvolvimento nacional. No país, 74% disseram que essa proteção é importante para o desenvolvimento, um índice que chega a 80% no Sudeste e a 82% no Nordeste. Na Região Norte, é de 47%, enquanto 37% discordam, ou seja, não consideram essa proteção importante para o desenvolvimento. Também é menor no Norte o índice dos que se dizem informados sobre o que acontece na região: apenas 31%, enquanto a média nacional é de 42%. 

“Este merece ser um ponto de atenção, pois as instâncias responsáveis pela proteção da Amazônia não se resumem às federais. Os governos estaduais e as assembleias legislativas também respondem muito pelo que acontece. No combate aos crimes, por exemplo, o papel dos governos locais é fundamental”, diz Fabiano Santos. 

Confira a íntegra da pesquisa:

O conhecimento liberta. Quero ser membro. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

Cortes 247

WhatsApp Facebook Twitter Email