Macron alfineta Brasil e diz que UE não assinará tratados com quem desrespeitar Acordo do Clima

Ao ser questionado sobre o engajamento ambiental da presidência francesa na União Europeia, Macron criticou o Mercosul e principalmente o Brasil

www.brasil247.com - Emmanuel Macron fez um discurso nesta segunda sobre a queda de Cabul sob controle dos Talibãs
Emmanuel Macron fez um discurso nesta segunda sobre a queda de Cabul sob controle dos Talibãs (Foto: Reprodução/TFI)


RFI - Emmanuel Macron fez um longo discurso nesta quarta-feira (19) no Parlamento Europeu, em Estrasburgo. Esse foi o primeiro discurso de Emmanuel Macron no Parlamento Europeu desde o início da presidência rotativa da França, em 1° de janeiro. Ele fez um pronunciamento defendendo a soberania europeia e saudando a eficácia do bloco diante da pandemia de Covid-19.

O chefe de Estado dedicou parte de sua fala às relações da UE com a Rússia, principalmente diante das tensões na fronteira com a Ucrânia e a queda de braço entre Moscou e a Aliança Atlântica. O líder francês disse que é preciso criar uma “nova ordem de segurança” na Otan contra a Rússia e pediu um “diálogo franco” com o governo russo.

Críticas à política francesa

Após o discurso, alguns eurodeputados se pronunciaram. O líder francês do grupo ecologista, Yannick Jadot, atacou severamente Macron sobre a postura do chefe de Estado diante da China e a defesa dos Direitos Humanos, criticou a política migratória de Paris e contestou a estratégia ambiental da França.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

“O senhor entrará para a História como o presidente da falta de ação sobre o clima”, disse Jadot. “O senhor prefere protelar, como Meryl Streep no filme Don’t look up, ao invés de soar o alarme para uma mobilização geral”, completou, em referência ao mais recente filme no qual a atriz americana interpreta uma presidente dos Estados Unidos diante de uma catástrofe iminente.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Macron respondeu às diferentes críticas e foi particularmente enfático sobre a questão climática, apontando o Brasil como exemplo. “A França é o país que mais se opôs à assinatura de novos acordos e que denunciou o Mercosul, levando em conta justamente o desrespeito ao Acordo de Paris pelo Brasil”, disse o chefe de Estado.

O presidente francês faz referência à sua já conhecida oposição ao acordo de livre comércio entre a União Europeia e o Mercosul. Em agosto de 2019, em meio à crise das queimadas na Amazônia, Macron ameaçou pela primeira vez de se opor ao tratado, acusando o presidente brasileiro, Jair Bolsonaro, de desrespeitar o Acordo do Clima de Paris. Desde então, o líder francês fez várias declarações criticando a política ambiental do Brasil, assinalando possíveis boicotes comerciais.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Em Estrasburgo, Macron disse que pretende manter essa postura durante a presidência rotativa da União Europeia. O líder francês insistiu que “a Europa não deve assinar contratos com potências que não respeitam o Acordo de Paris”.

Parlamento Europeu vira palanque eleitoral

Jadot, que é candidato ecologista na corrida presidencial francesa deste ano, adotou um tom de campanha e, por vezes, chegou a virar as costas para o plenário a fim de falar olhando diretamente para Macron. O ecologista teve que ser interrompido várias vezes, por ter ultrapassado o tempo previsto para cada intervenção e foi acusado de ter transformado o Parlamento Europeu em palanque eleitoral.

O tom de campanha contra Macron também foi sentido nas falas de outros políticos franceses. O deputado da extrema-direita Jordan Bardella, próximo de Marine Le Pen, promoveu um discurso crítico à política migratória europeia. A legisladora francesa de esquerda Manon Aubry, por sua vez, disse que existia “o doutor Macron, que faz muitas promessas, e o senhor Macron, que não se importa com a emergência climática”.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

A nova presidente de Parlamento, Roberta Metsola, lembrou aos legisladores que a prioridade do momento era discutir a presidência francesa do bloco e não “debates nacionais”. “A nossa instituição deve ser respeitada”, concluiu.

Assine o 247, apoie por Pix, inscreva-se na TV 247, no canal Cortes 247 e assista: 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cortes 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email