Ministério da Saúde resgata indígenas yanomami com malária e desnutrição grave

O governo federal pretende oferecer serviços de saúde aos mais de 30,4 mil indígenas que vivem em comunidades indígenas yanomami, no estado de Roraima

www.brasil247.com - Índios yanomami em Roraima
Índios yanomami em Roraima (Foto: Condisi-YY/Divulgação)


247 - O Ministério da Saúde, comandado por Nísia Trindade, informou que funcionários da pasta resgataram neste sábado (21) índios da Indígenas terra Yanomami com desnutrição severa e malária. O governo federal pretende oferecer serviços de saúde aos mais de 30,4 mil indígenas que vivem em comunidades da região. Segundo o Ministério dos Povos Indígenas, comandado por Sônia Guajajara, 99 crianças do povo Yanomami morreram em 2022 por conta do garimpo ilegal na região. A pasta estima que ao menos 570 crianças foram mortas pela contaminação por mercúrio, desnutrição e fome nos últimos anos. 

Todas as crianças foram encaminhadas para a capital de Roraima, Boa Vista, de acordo com informações publicadas neste sábado (21) pelo portal G1. "Nos últimos anos, a população Yanomami passou por desassistência e dificuldade de acesso aos atendimentos de saúde. Casos de desnutrição e insegurança alimentar, principalmente entre as mais de 5 mil crianças da região, foram registrados", disse o Ministério da Saúde. 

"Profissionais de saúde relatam falta de segurança e vulnerabilidade para continuar os atendimentos, dificultando ainda mais a assistência médica aos indígenas", informou.

Assine o 247, apoie por Pix, inscreva-se na TV 247, no canal Cortes 247 e assista:

O conhecimento liberta. Quero ser membro. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

Cortes 247