RS tem a pior seca dos últimos 17 anos; perdas chegam a R$ 20 bi

159 os municípios estão em emergência

www.brasil247.com -
(Foto: Divulgação)


Brasil de Fato - Já são 159 os municípios do Rio Grande do Sul sob emergência devido à estiagem. Somente na primeira semana de janeiro, mais 29 deles se somaram ao quadro da seca que afeta principalmente as regiões Norte, Planalto Médio, Oeste, Centro e Missões. Para a Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural (Emater)/RS, é a pior seca do estado nos últimos 17 anos. Mais de cinco mil famílias de agricultores estão sem acesso à água até para uso nas casas.

No campo, os prejuízos estão espalhados pela produção de grãos, frutas, hortigranjeiros e leite. Considerando-se somente as perdas verificadas até agora nas culturas de milho (com 100% de perdas em vários municípios) e soja e levando-se em conta a expectativa para as duas safras, calcula-se uma queda de R$ 20 bilhões na comercialização.

“A situação é muito grave e tende a piorar”

Na próxima segunda-feira (10), a Frente Parlamentar da Agropecuária Gaúcha quer se reunir com o governador Eduardo Leite (PSDB), agora em férias, para pedir-lhe providências imediatas. Para o deputado estadual Edegar Pretto (PT), o governo estadual poderia ter previsto a situação e se antecipado. “O governador tem que chamar para si a responsabilidade e operar”, reparou.

“A situação é muito grave e tende a piorar”, previu o presidente da Frente, deputado estadual Elton Weber (PSB). “Precisamos urgentemente de estratégias mais amplas de enfrentamento pelos governos”, resumiu.

Devido ao agravamento do quadro, a Frente realizou uma reunião híbrida, ontem (6), juntando a Central Única dos Trabalhadores (CUT)-RS, dirigentes sindicais, representantes de movimentos sociais do campo, secretários do governo estadual, deputados, prefeitos, vereadores e agricultores.

“Emendas secretas”

No encontro, o presidente da Emater/RS, Alencar Rugeri, informou que as pastagens já somam 58% de perdas. São mais de 138 mil propriedades atingidas e um total de 5.475 famílias com dificuldades de acesso à água.

O coordenador da Frente Parlamentar Mista da Agricultura Familiar no Congresso, deputado federal Heitor Schuch (PSB/RS), sugeriu ao estado tentar acessar parte dos R$ 16,5 bilhões das chamadas “emendas secretas” do governo Bolsonaro.   

“Não há salvação de forma isolada”

“Já estamos há três anos com estiagens e essa é a mais grave e isso piora quando os órgãos de governo não ajudam”, protestou Douglas Cenci, coordenador-geral da Federação dos Trabalhadores na Agricultura Familiar/RS (Fetraf/RS). “Quem conhece a realidade do campo sabe o quanto temos sofrido”, disse.

Na sua visão, é urgente um diálogo do governador com os deputados e as entidades. “Estamos propondo a criação de um comitê da estiagem que possa reunir todos esses setores para avaliar as situações e as medidas que serão tomadas de forma conjunta. Não há salvação de forma isolada”, advertiu.

“Tem família que vai passar fome e sede na roça”

Adelar Pretto, do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST), criticou a lentidão do governo estadual em atender os agricultores. Propôs que seja votado o projeto de lei, PL nº 115/2021, que prevê um crédito emergencial para os agricultores gaúchos. Recomendou também “a operacionalização imediata do recurso de R$ 23 milhões a fundo perdido do BNDES, referente ao Plano Camponês, cuja contrapartida já foi aplicada pelo governo do estado em 2014”.

“É inadmissível que o governo diga que não tem recurso e só anunciar poço e açude”, enfatizou. “Precisamos de recurso para subsistência, pois tem família que vai passar fome e sede na roça”, avisou.

“Estado deve decretar emergência como fez o Paraná”

Cenci acentuou que “os anúncios feitos até agora não contemplam as necessidades e nem de longe atendem a nossa pauta”. E fez uma proposta: “É urgente que o Rio Grande do Sul decrete situação de emergência, como já fez o Paraná, cuja situação é menos grave que a nossa, e Santa Catarina já anunciou R$ 100 milhões”, defendeu. 

O conhecimento liberta. Quero ser membro. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

Cortes 247

WhatsApp Facebook Twitter Email