Ação da Conib contra Altman ameaça todos os judeus de esquerda, diz Articulação Judaica de Esquerda

Em nota, a entidade criticou o assédio judicial contra o editor do Opera Mundi

Breno Altman
Breno Altman (Foto: Felipe Gonçalves)


✅ Receba as notícias do Brasil 247 e da TV 247 no canal do Brasil 247 e na comunidade 247 no WhatsApp.

247 – O grupo Articulação Judaica de Esquerda divulgou uma dura nota contra o assédio judicial que vem sendo promovido contra o jornalista judeu Breno Altman, editor do Opera Mundi, em razão de suas posições contra o sionismo. Segundo a entidade, a ação judicial da Conib contra Altman ameaça todos os judeus de esquerda no Brasil. Leia, abaixo, a íntegra:

No dia 22 de novembro recebemos com perplexidade a sentença do juiz Paulo Bernardi Baccarat, acolhendo parcialmente pedidos da CONIB – instituição de extrema-direita alinhada ideologicamente ao bolsonarismo e aos partidos mais conservadores de Israel – contra o jornalista Breno Altman.

continua após o anúncio

A ação movida pela entidade, da qual tomamos conhecimento, é um verdadeiro glossário de mentiras e acusações absurdas, cujos pedidos principais ao juiz eram ‘obrigar Breno a apagar diversas postagens críticas de Israel’; proibir Breno de fazer novos comentários sobre Israel’; e pagar uma indenização no valor de R$ 1.340,00 para cada cidadão israelense no Brasil; e mais R$ 180.000,00 a título de indenização coletiva aos judeus brasileiros.

Na peça, que é assinada pelo advogado Daniel Bialski, o mesmo que representou anteriormente Michelle Bolsonaro, no caso das jóias, e Carla Zambelli, no caso da contratação de um hacker para invadir a privacidade do ministro Alexandre de Moraes e que se tornou uma figura carimbada nos programas da Jovem Pan News, a narrativa utilizada é a de que Altman, um dos intelectuais judeus e progressistas mais conhecidos e reconhecidos no país, teria se envolvido em perseguição ‘à minoria judaica’.

continua após o anúncio

Diz um trecho: “Breno Altman se apresenta como antissionista a justificar e louvar publicamente a morte de judeus”. Um absurdo, sem nenhum fundamento, e ainda mais aviltante considerando que Breno, todos seus familiares e boa parte dos companheiros de atuação são judeus.

O ação também reproduz a definição da IHRA, organização ultraconservadora da Suécia, sobre antissionismo ser ‘uma forma de antissemitismo’, pedindo ao juízo que a recepcione como se fosse uma definição científica.

continua após o anúncio

Sobre isto, é muito importante saber que esta definição é amplamente rejeitada por grupos de direitos humanos ao redor do mundo. A exemplo, em abril deste ano, 60 organizações, entre as quais a americana Human Rights Watch, a israelense Btselem e a palestina Palestinian Center for Human Rights, entregaram ao secretário-geral da ONU um documento técnico pedindo que ela não fosse utilizada pela entidade.

É fato que não faltam exemplos de casos em que simpatizantes da abordagem mais radical de Israel tentam equiparar críticas com sua concepção política ao crime de antissemitismo, uma ideologica de matriz etno-nacionalista que causa prejuízos ao conjunto dos judeus.

continua após o anúncio

Mas também é verdade que nossa Constituição não abriga a possibilidade desse tipo de criminalização do pensamento crítico e antirracista.

Por fim, chamamos atenção para a repercussão especialmente negativa da atuação de CONIB para os judeus de esquerda, que são, logicamente, mais interessados na discussão do sionismo que o restante da população, por motivos óbvios.

continua após o anúncio

Os argumentos dessa entidade incitam contra nós, sugerindo que somos traidores ou até menos judeus que eles, pelo fato de não compartilharmos de sua noção sobre a legalidade da segregação racial na Palestina.

Rechaçamos este ambiente de perseguição, às claras, em que judeus de esquerda têm sido constantemente atacados, assediados no trabalho, em ambientes sociais e até pela imprensa, como aconteceu recentemente com próprio Breno Altman.

continua após o anúncio

Temos direito de ser judeus e de esquerda; temos direito de reivindicar a nacionalidade brasileira, e não qualquer outra; temos direito de cooperar com judeus e não-judeus em Israel, na Palestina e ao redor do mundo para eliminação de qualquer forma de discriminação.

E não admitimos que a nossa liberdade de expressão seja cassada. 

continua após o anúncio

Assine o 247, apoie por Pix, inscreva-se na TV 247, no canal Cortes 247 e assista:

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

continua após o anúncio

Ao vivo na TV 247

Cortes 247