Android é ameaçado por uma guerra de patentes

Sistema operacional do Google alvo de processo bilionrio da Oracle, Microsoft, Apple e Gemalto. Ser esse seu fim?

Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - A data foi definida. A não ser que um acordo amigável se apresente até lá, Oracle e Google se enfrentarão no dia 31 de outubro. O grupo de TI acusa, desde o final de 2010, o gigante da internet de ter usado, sem pagar licença, seu software Java para desenvolver o sistema operacional Android. Segundo o jornal francês Les Echos, a Oracle pede US$ 6,1 bilhões pelos danos causados. O valor é considerado exagerado pelo juiz do caso, William Alsup. Isso, no entanto, não parece frear a Oracle, que vai levar Larry Page, CEO do Google, em pessoa à audiência.

Este conflito é apenas a ponta do iceberg. Enquanto o Android, desenvolvido pelo start-up de mesmo nome e adquirido pelo Google em 2007, domina cada vez o mercado dos smartphones e de tablets, ele é alvo de diversos ataques por violação de patente. Essas ações poderiam, segundo alguns especialistas, parar o seu desenvolvimento. Interval Licensing, Gemalto, Microsoft e Apple já entraram com um processo contra o Google. Alguns obtiveram sucesso. Em 18 de julho, a Comissão de Comércio Internacional foi favorável a Apple, que entrou com uma ação contra a HTC de Taiwan. De acordo com a sentença, o smartphone com Android infringe patentes da empresa.

Por sua parte, a Microsoft, que atacou a Motorola, Barnes & Noble e Foxconn por usarem Android, chegou em abril a um acordo sem precedentes com a HTC. A empresa obteve o pagamento de US$ 5 por cada venda de um telefone Android da fabricante de Taiwan. Com a Samsung, a gigante dos softwares quer receber US$ 15 por aparelho vendido. "Como eles não sabem responder com inovação, eles respondem com processos", disse Eric Schmidt, presidente-executivo do Google. A sequência de ações na Justiça está fazendo as fabricantes de celular a repensar o uso do Android.

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

WhatsApp Facebook Twitter Email