Assessor de Bolsonaro quer “expulsar” Intercept do Brasil

Um dos assessores do Planalto, Filipe Martins diz que a lei determina a órgãos de comunicação terem capital nacional de 70%; "Quão encrencado estaria o dono de um certo site se esse site estivesse registrado na junta comercial como 'Agência de Notícias' e seu capital fosse 100% estrangeiro?”, perguntou

(Foto: Reprodução)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - O Assessor Especial da Presidência da República para Assuntos Internacionais, Filipe Martins, defendeu o fim do jornalismo feito pelo Intercept Brasil, que vem atingindo em cheio o governo Jair Bolsonaro ao revelar um concluio entre o atual ministro Sérgio Moro (Justiça) e procuradores da Lava Jato para decidir os rumos das investigações. O ex-juiz e os membros do Ministério Público Federal (MPF-PR) feriram a equidistância entre magisrado e a parta acusatória. 

"A legislação brasileira determina que órgãos de comunicação tenham ao menos 70% de capital nacional. Diante disso, quão encrencado estaria o dono de um certo site se esse site estivesse registrado na junta comercial como 'Agência de Notícias' e seu capital fosse 100% estrangeiro?”, tuitou Martins.

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247