Baixa adesão ao isolamento social contra pandemia eleva risco de lockdown, diz O Globo

Flexibilização do isolamento social e a baixa adesão à quarentena já pressiona as redes de saúde pública e privada. “Por isso, governadores e prefeitos começam a se dar conta da necessidade de radicalizar o isolamento, decretando o lockdown" como forma de conter o avanço da pandemia

Rio de Janeiro tem o primeiro dia de comércio fechado por determinação da prefeitura
Rio de Janeiro tem o primeiro dia de comércio fechado por determinação da prefeitura (Foto: Tania Regô/Agência Brasil)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - Editorial do jornal O Globo desta quarta-feira (6) destaca que apesar do reativo sucesso da adoção por estado e municípios de medidas para conter o avanço do novo coronavírus, como o isolamento social, a flexibilização das iniciativas e a baixa adesão à quarentena já pressiona as redes de saúde pública e privada. “Por isso, governadores e prefeitos começam a se dar conta da necessidade de radicalizar o isolamento, decretando o lockdown (bloqueio total das atividades não essenciais), como fizeram, ainda que tardiamente, países da Europa que estão conseguindo controlar a epidemia”, destaca o editorial.

“Ontem essas restrições severas entraram em vigor na Grande São Luís, no Maranhão, primeiro estado brasileiro a adotar a prática, cumprindo determinação da Justiça”, destaca o editorial. “No Ceará, que vive situação de caos na saúde devido à pandemia do novo coronavírus, a capital, Fortaleza, também adotará o lockdown. As cidades de Manaus, no Amazonas, e Belém, no Pará, seguem pelo mesmo caminho”, ressalta o texto.

“Diante da queda nas taxas de isolamento, não resta outra alternativa aos governos que não o lockdown. Menos gente nas ruas hoje significará menos pacientes procurando hospitais daqui a 15 dias”, diz trecho do editorial. 

“De nada adianta atacar o isolamento, como faz sistematicamente o presidente Jair Bolsonaro, embora o seu ministro da Saúde, Nelson Teich, defenda a quarentena. Quanto antes o Brasil conseguir controlar a epidemia, mais rapidamente poderá executar o plano de volta à normalidade”, finaliza.

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247