Bernardo Mello Franco vê ameaça à democracia

Em coluna publicada neste domingo (30), no jornal O Globo, Bernardo Mello Franco vê ameaça à democracia, mas de maneira diferente do que ocorria num passado não tão distante. "Foi-se o tempo em que as democracias só tombavam sob a mira de tanques e baionetas. No século passado, golpes clássicos derrubaram governos eleitos em quase toda a América Latina. Agora a ameaça não depende mais do uso da força"

Bernardo Mello Franco vê ameaça à democracia
Bernardo Mello Franco vê ameaça à democracia (Foto: REUTERS/Ricardo Moraes)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - Em coluna publicada neste domingo (30), no jornal O Globo, Bernardo Mello Franco vê ameaça à democracia, mas de maneira diferente do que ocorria num passado não tão distante. "Foi-se o tempo em que as democracias só tombavam sob a mira de tanques e baionetas. No século passado, golpes clássicos derrubaram governos eleitos em quase toda a América Latina. Agora a ameaça não depende mais do uso da força."

Mello Franco cita o livro "Como as democracias morrem", dos cientistas políticos e professores de Harvard Steven Levitsky e Daniel Ziblatt, escrito após a vitória de Donald Trump nos Estados Unidos. “O retrocesso democrático hoje começa nas urnas”, afirmam. Para o colunista, não há como ler o livro "sem pensar na encruzilhada do Brasil em 2018". Os autores alertam: “Demagogos extremistas surgem de tempos em tempos em todas as sociedades, mesmo em democracias saudáveis (...). O desafio, dizem, é evitar que eles explorem os sentimentos de ódio e ressentimento para chegar ao poder."

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247