BNDES libera 35% menos. Vamos crescer sem investir e sem financiar?

"11% a menos do que em 2015 pode não parecer muito, mas é sobre 2015, onde o país praticamente parou neste setor", escreve o jornalista Fernando Brito, do Tijolaço, ao comentar os números divulgados pelo banco a respeito de propensão a investimentos futuros; "Dinheiro, mesmo, como se mostrou hoje cedo, só para o mercado financeiro", diz ele

BNDES libera 35% menos. Vamos crescer sem investir e sem financiar?
BNDES libera 35% menos. Vamos crescer sem investir e sem financiar?

Por Fernando Brito, do Tijolaço - Os números divulgados nesta terça-feira pelo BNDES são trágicos quanto à perspectiva de retomada do investimento e, portanto, da  própria atividade econômica no país.

Não só pela queda que você vê no gráfico – 35% ou R$ 47,2 bilhões a menos que no ano passado e uma volta a um nível menor que o de 2008, ano da crise mundial – mas por outros indicadores, sobretudo o das consultas, que indica propensão a investimentos futuros.

 

bndes2016desemb

 

11% a menos do que em 2015 pode não parecer muito, mas é sobre 2015, onde o país praticamente parou neste setor.

Os setores de comércio e serviços que respondem mais rápido – ao contrário da indústria, onde os investimentos demoram mais tempo a amadurecer – caiu mais: 40%.  Já o financiamento a capital de giro, embora represente volume pequeno na carteira do banco, subiu mais de 60%, indicando a falta de condições operacionais das empresas.

Dinheiro, mesmo, como se mostrou hoje cedo, só para o mercado financeiro.

Para o resto, nada, à procura do delírio da “inflação zero” (e juros, obviamente, não) que hoje o presidente do BC, Ilan Goldfarb já andou ensaiando para 3% em 2019.

O Brasil não tem economistas, tem agentes do capital financeiro.

Conheça a TV 247

Ao vivo na TV 247 Youtube 247