Bolsonarista, Constantino justifica morte de João Alberto no Carrefour por ele ser "enorme"

Rodrigo Constantino ainda disse que ‘oportunistas’ “querem um George Floyd brasileiro para instigar a segregação racial no país mestiço, para jogar uns contra os outros e fomentar um ambiente de desconfiança e revolta”

(Foto: Reprodução)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - Rodrigo Constantino, bolsonarista expulso recentemente da Jovem Pan por culpar mulheres por casos de estupro, justificou a morte de João Alberto Freitas, por dois seguranças do Carrefour que o espancaram até a morte em Porto Alegre, pelo fato dele ser “enorme”.

“O homem, um sujeito enorme, teria ficha corrida na polícia e teria agredido uma funcionária do Carrefour. Por isso ele foi espancado, não pela cor da pele”, escreveu em sua coluna na Gazeta do Povo. 

A informação de que João Alberto teria agredido uma funcionária do supermercado é mentirosa e não há registros disso.

“O espancamento, desnecessário dizer, não se justifica, e demonstra todo despreparo dos seguranças. Mas não comprova racismo coisa alguma, ao contrário do que tantos repetem para lacrar com sua plateia”, afirmou.

Segundo ele, “oportunistas” estão aproveitando a morte do homem para estimular “a segregação racial no país mestiço”.

“Querem um George Floyd brasileiro para instigar a segregação racial no país mestiço, para jogar uns contra os outros e fomentar um ambiente de desconfiança e revolta. Querem o caos, enfim. E o homem morto pelos seguranças é apenas um pretexto para essa gente, um instrumento, um meio”, afirma.

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

Cortes 247

WhatsApp Facebook Twitter Email