Brasil está entre os países mais perigosos para jornalistas

Levantamento do International News Safety Institute conta 70 mortes de profissionais de imprensa no ano, cinco delas em território brasileiro

Brasil está entre os países mais perigosos para jornalistas
Brasil está entre os países mais perigosos para jornalistas (Foto: Divulgação)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - Pelo menos 70 jornalistas e outros profissionais de mídia foram mortos durante cobertura jornalística no primeiro semestre deste ano, um dos períodos mais sangrentos dos últimos anos, de acordo com o INSI (International News Safety Institute).

Foram quinze mortes confirmadas na Síria, entre janeiro e junho, de acordo com a pesquisa Killing the Messenger (Matando o Mensageiro), levantamento realizado para INSI pela Cardiff School of Journalism.

Nestes sete meses, os piores países para jornalistas, segundo a pesquisa, foram Nigéria, onde sete repórteres não identificados foram mortos por uma bomba, Brasil, Somália, Indonésia, onde cinco jornalistas morreram em um acidente de avião, e México.

Em 2011, foram 124 mortos, 56 nos seis primeiros meses. Neste ano, foram 70 até junho. Esse número pode crescer, se forem consideradas mais 30 mortes contabilizadas pelo INSI cuja relação ao exercício da profissão ainda não está clara. O instituto convida a todos que tiverem mais informações sobre esses casos a entrar em contato.

"Jornalistas estão mais do que nunca na mira dos inimigos da liberdade de expressão", diz Rodney Pinder, diretor do INSI. "Apesar de iniciativas encorajadoras de atores políticos internacionais para refrear os assassinatos, as armas e as bombas continuam como método preferido de censura em muitos países". "Toda e qualquer morte sufoca o fluxo livre de informações, sem o qual nenhuma sociedade livre pode funcionar", continua ele.

A pesquisa ressaltou que, apesar dos confrontos na Síria, a maior parte das mortes de jornalistas ao redor do mundo foi em períodos de paz. 43 jornalistas morreram em países que estão oficialmente em paz, em sua maioria vítimas de criminosos, muitas vezes auxiliados por forças policiais, políticos e empresários corruptos.

Segundo o INSI, 93% dos jornalistas nasceram e viveram nos países onde foram mortos. "Os crimes são normalmente contra repórteres cobrindo assuntos locais, como crime, política e corrupção", diz Pinder. Muitas vezes, ressalta ele, as forças de segurança estão relacionadas aos criminosos, tornando o risco aos jornalistas ainda maior.

A maioria foi vítima de tiros ou bombas, porém outros sofreram fins mais terríveis – espancados, torturados, estrangulados ou decapitados. A terceira maior causa de morte foram acidentes de carro, cada ano uma perda considerável.

Surpreendentemente, a maior parte dos assassinos continua impune. Na primeira metade deste ano, em apenas um de cada 47 assassinatos houve a identificação do agressor. A taxa de impunidade dos assassinos de jornalistas se manteve constante em aproximadamente 90%, mundialmente, pelos últimos dez anos.

A impunidade torna-se um desafio para a liberdade de imprensa. Sobre o Brasil, Pinder mencionou a cobrança da Abraji pela apuração do jornalista Décio de Sá, em abril. Esses crimes não apenas silenciam o repórter, mas mandam uma mensagem de que não se deve cobrir essas áreas.

Por isso, em diferentes países, os jornalistas deixam de reportar essas questões e vão para áreas menos perigosas. "Esses cantos obscuros da sociedade não estão sendo expostos como deveriam".

Como uma organização pela segurança dos jornalistas, o INSI contabiliza todas as mortes de jornalistas e outros profissionais e mídia, sejam acidentais ou deliberadas.

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

WhatsApp Facebook Twitter Email