Capa de Veja é a bala de prata das eleições de 2014?

Reportagem deste fim de semana sobre a delação premiada de Paulo Roberto Costa repete a estética já usada com Marcos Valério; objetivo é fazer com que o escândalo atual tenha, no imaginário nacional, o mesmo peso do chamado mensalão e mude o rumo das eleições; embora tenham sido citados nomes de deputados, senadores, governadores de estado, como Sergio Cabral, Roseana Sarney e o falecido Eduardo Campos, além do ministro Edison Lobão, não são apontadas provas de que os políticos mencionados receberam propinas; próximos dias serão decisivos

Reportagem deste fim de semana sobre a delação premiada de Paulo Roberto Costa repete a estética já usada com Marcos Valério; objetivo é fazer com que o escândalo atual tenha, no imaginário nacional, o mesmo peso do chamado mensalão e mude o rumo das eleições; embora tenham sido citados nomes de deputados, senadores, governadores de estado, como Sergio Cabral, Roseana Sarney e o falecido Eduardo Campos, além do ministro Edison Lobão, não são apontadas provas de que os políticos mencionados receberam propinas; próximos dias serão decisivos
Reportagem deste fim de semana sobre a delação premiada de Paulo Roberto Costa repete a estética já usada com Marcos Valério; objetivo é fazer com que o escândalo atual tenha, no imaginário nacional, o mesmo peso do chamado mensalão e mude o rumo das eleições; embora tenham sido citados nomes de deputados, senadores, governadores de estado, como Sergio Cabral, Roseana Sarney e o falecido Eduardo Campos, além do ministro Edison Lobão, não são apontadas provas de que os políticos mencionados receberam propinas; próximos dias serão decisivos (Foto: Gisele Federicce)

247 – A capa da revista Veja deste fim de semana, que traz a delação premiada do ex-diretor da Petrobras Paulo Roberto Costa, tem a mesma estratégia – e até a estética, com fundo vermelho – já usada com Marcos Valério, em setembro de 2012. O objetivo da "edição memorável", como chama a própria publicação em carta ao leitor, é fazer com que o escândalo atual tenha, no imaginário nacional, o mesmo peso do chamado mensalão e mude o rumo das eleições de 2014.

Costa, que foi preso duas vezes durante investigação da Operação Lava Jato, da Polícia Federal, começou a falar na sexta-feira 29, depois de um acordo de delação premiada com a Justiça para diminuir sua pena. Os depoimentos têm sido longos, os primeiros de cerca de quatro horas, relatou ontem o serviço Broadcast da Agência Estado. De um homem eficiente a todos na diretoria de Abastecimento e refino da petroleira entre 2004 e 2012, Costa contou temer, quando soube que a delação estava sendo noticiada na imprensa, ser uma espécie de 'arquivo vivo'.

O esquema partia de grandes empresas – a maior citada por ele é a Camargo Corrêa – que, para fechar contratos milionários com a Petrobras, transferiam parte do lucro a funcionários da estatal, a partidos da base do governo e a políticos. Estes, antes de receber, tinham o dinheiro lavado por doleiros. Por envolver nomes que, na Justiça, teriam foro privilegiado, o assunto passou a ser acompanhado pelo procurador-geral da República, Rodrigo Janot, e pelo Supremo Tribunal Federal (STF).

Nas mais de 40 horas de depoimento à Polícia Federal, Paulo Roberto Costa menciona, segundo a revista, governadores, como Sergio Cabral (PMDB), ex-governador do Rio, Roseana Sarney (PMDB), atual governadora do Maranhão, e o falecido Eduardo Campos (PSB), ex-governador de Pernambuco; seis senadores, o ministro Edison Lobão, de Minas e Energia, e pelo menos 25 deputados federais como parte do esquema. Nesta sexta-feira 5, a imprensa divulgou que o número de deputados poderia chegar a 62.

Entre os deputados estão Cândido Vanccarezza (PT-SP) e João Pizzolatti (PP-SC); entre os senadores, Ciro Nogueira (PP-PI) e Romero Jucá (PMDB-RR). O ex-ministro das Cidades e ex-deputado federal Mário Negromonte, do PP, é citado como destinatário da propina.

O texto de Veja compara o esquema atual com o chamado mensalão – "lembrará em muito outro grande escândalo recente da política" – e envolve o ex-presidente Lula, que teria conversas diretas com Paulo Roberto Costa. A verdade é que, como um diretor importante da maior estatal do País, nada há de anormal em tratar com o presidente da República. E apesar dos depoimentos, nenhuma prova do envolvimento dos políticos mencionados foi apresentada até aqui.

Ao vivo na TV 247 Youtube 247