Capa de Veja é a bala de prata das eleições de 2014?

Reportagem deste fim de semana sobre a delação premiada de Paulo Roberto Costa repete a estética já usada com Marcos Valério; objetivo é fazer com que o escândalo atual tenha, no imaginário nacional, o mesmo peso do chamado mensalão e mude o rumo das eleições; embora tenham sido citados nomes de deputados, senadores, governadores de estado, como Sergio Cabral, Roseana Sarney e o falecido Eduardo Campos, além do ministro Edison Lobão, não são apontadas provas de que os políticos mencionados receberam propinas; próximos dias serão decisivos

Reportagem deste fim de semana sobre a delação premiada de Paulo Roberto Costa repete a estética já usada com Marcos Valério; objetivo é fazer com que o escândalo atual tenha, no imaginário nacional, o mesmo peso do chamado mensalão e mude o rumo das eleições; embora tenham sido citados nomes de deputados, senadores, governadores de estado, como Sergio Cabral, Roseana Sarney e o falecido Eduardo Campos, além do ministro Edison Lobão, não são apontadas provas de que os políticos mencionados receberam propinas; próximos dias serão decisivos
Reportagem deste fim de semana sobre a delação premiada de Paulo Roberto Costa repete a estética já usada com Marcos Valério; objetivo é fazer com que o escândalo atual tenha, no imaginário nacional, o mesmo peso do chamado mensalão e mude o rumo das eleições; embora tenham sido citados nomes de deputados, senadores, governadores de estado, como Sergio Cabral, Roseana Sarney e o falecido Eduardo Campos, além do ministro Edison Lobão, não são apontadas provas de que os políticos mencionados receberam propinas; próximos dias serão decisivos (Foto: Gisele Federicce)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 – A capa da revista Veja deste fim de semana, que traz a delação premiada do ex-diretor da Petrobras Paulo Roberto Costa, tem a mesma estratégia – e até a estética, com fundo vermelho – já usada com Marcos Valério, em setembro de 2012. O objetivo da "edição memorável", como chama a própria publicação em carta ao leitor, é fazer com que o escândalo atual tenha, no imaginário nacional, o mesmo peso do chamado mensalão e mude o rumo das eleições de 2014.

Costa, que foi preso duas vezes durante investigação da Operação Lava Jato, da Polícia Federal, começou a falar na sexta-feira 29, depois de um acordo de delação premiada com a Justiça para diminuir sua pena. Os depoimentos têm sido longos, os primeiros de cerca de quatro horas, relatou ontem o serviço Broadcast da Agência Estado. De um homem eficiente a todos na diretoria de Abastecimento e refino da petroleira entre 2004 e 2012, Costa contou temer, quando soube que a delação estava sendo noticiada na imprensa, ser uma espécie de 'arquivo vivo'.

O esquema partia de grandes empresas – a maior citada por ele é a Camargo Corrêa – que, para fechar contratos milionários com a Petrobras, transferiam parte do lucro a funcionários da estatal, a partidos da base do governo e a políticos. Estes, antes de receber, tinham o dinheiro lavado por doleiros. Por envolver nomes que, na Justiça, teriam foro privilegiado, o assunto passou a ser acompanhado pelo procurador-geral da República, Rodrigo Janot, e pelo Supremo Tribunal Federal (STF).

Nas mais de 40 horas de depoimento à Polícia Federal, Paulo Roberto Costa menciona, segundo a revista, governadores, como Sergio Cabral (PMDB), ex-governador do Rio, Roseana Sarney (PMDB), atual governadora do Maranhão, e o falecido Eduardo Campos (PSB), ex-governador de Pernambuco; seis senadores, o ministro Edison Lobão, de Minas e Energia, e pelo menos 25 deputados federais como parte do esquema. Nesta sexta-feira 5, a imprensa divulgou que o número de deputados poderia chegar a 62.

Entre os deputados estão Cândido Vanccarezza (PT-SP) e João Pizzolatti (PP-SC); entre os senadores, Ciro Nogueira (PP-PI) e Romero Jucá (PMDB-RR). O ex-ministro das Cidades e ex-deputado federal Mário Negromonte, do PP, é citado como destinatário da propina.

O texto de Veja compara o esquema atual com o chamado mensalão – "lembrará em muito outro grande escândalo recente da política" – e envolve o ex-presidente Lula, que teria conversas diretas com Paulo Roberto Costa. A verdade é que, como um diretor importante da maior estatal do País, nada há de anormal em tratar com o presidente da República. E apesar dos depoimentos, nenhuma prova do envolvimento dos políticos mencionados foi apresentada até aqui.

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247