CONTINUA APÓS O ANÚNCIO
Mídia

Catanhêde prevê PT surrado nas eleições

Colunista argumenta que o mensalão provoca estrago eleitoral em partido que já vinha mal das pernas em grandes capitais

Catanhêde prevê PT surrado nas eleições (Foto: Edição 247)
CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

✅ Receba as notícias do Brasil 247 e da TV 247 no canal do Brasil 247 e na comunidade 247 no WhatsApp.

247 – Depois de Dora Kramer, do Estadão, apontar o PT “nas cordas”, agora é Eliane Cantanhêde, da Folha, quem afirma que o efeito eleitoral do julgamento do mensalão tende a ser extremamente negativo para o partido nas grandes capitais. Leia:

O PT derrota o PT - ELIANE CANTANHÊDE

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO


BRASÍLIA - Eleições, como os corações, têm razões que a própria razão desconhece. No caso da atual, porém, há aparentemente um motivo que vem se sobrepondo a tudo, insinuando-se em mentes e corações: o julgamento do mensalão.

Quando escrevi, lá atrás, que era preciso julgar seriamente o mensalão, mas não seria justo que fosse logo durante a campanha eleitoral, o leitor tucano ficou uma arara. Mas mantenho essa posição. O estrago é grande.

O PT é um partido de chegada, mas anda mal das pernas em Recife, Fortaleza, Porto Alegre, Salvador e Belo Horizonte, sonhando em compensar tudo com a vitória em São Paulo. Aliás, a essa altura, chegar ao segundo turno já basta. Ou bastaria.

Não é isso o que o Datafolha de hoje indica. Ao contrário, Fernando Haddad parou de subir e o tucano José Serra não apenas parou de cair como registrou alguma recuperação, mantendo o segundo lugar e agora fora da margem de erro. Nesse ritmo, o segundo turno será entre Celso Russomanno, do PRB, que mantém a dianteira folgada, e Serra.

Lula deve estar à beira de um ataque de nervos, com o mensalão desabando na cabeça do PT, soltando estilhaços no seu governo e resvalando perigosamente nele próprio. A popularidade de 80% não dá para o gasto dos candidatos petistas nem mesmo para sua criatura Haddad.

Se Haddad vencesse, a vitória seria de Lula. Se perder, a derrota será de Lula, de Haddad e debitada -com razão, por uns, e com o coração, por outros- ao mensalão. Não só pelo julgamento, mas pelo próprio mensalão.

A oportunidade do julgamento pode até ser injusta, mas, se nada disso tivesse acontecido, a Procuradoria não teria o que acusar, Joaquim Barbosa não teria o que comprovar, os ministros não teriam o que e quem condenar. O julgamento poderia ser antes, durante ou depois da eleição, sem tanta repercussão eleitoral.

Se não houver revertério até 7 de outubro, o PT e Lula estarão pagando pelos erros do PT e de Lula.

iBest: 247 é o melhor canal de política do Brasil no voto popular

Assine o 247, apoie por Pix, inscreva-se na TV 247, no canal Cortes 247 e assista:

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO
CONTINUA APÓS O ANÚNCIO
CONTINUA APÓS O ANÚNCIO