Colunista da Folha propõe "vender Amazônia aos gringos"

Hélio Schwartsman compra a tese de que os brasileiros são incapazes de proteger a floresta e sugere que Bolsonaro a venda "por uma bolada de dinheiro"

www.brasil247.com - Hélio Schwartsman e vista aérea da Amazônia após queimadas perto de Apuí, no Amazonas
Hélio Schwartsman e vista aérea da Amazônia após queimadas perto de Apuí, no Amazonas (Foto: Reprodução | REUTERS/Ueslei Marcelino)


247 – O colunista Hélio Schwartsman, da Folha de S. Paulo, lançou, nesta sexta-feira uma ideia estapafúrdia: a de que o Brasil venda a floresta amazônica para os gringos. "Ao contrário do presidente Bolsonaro, acho que seria uma boa ideia vender a Amazônia para os gringos", diz ele em sua coluna.

"Vamos supor que alguma nação rica, ou, melhor ainda, um consórcio internacional, ofereça uma enorme bolada pelo território. Vamos supor ainda que a população amazônida teria assegurada uma enxurrada de investimentos em programas de desenvolvimento sustentável, além de direito ao passaporte do país adquirente. Imaginemos, por fim, que o comprador se comprometeria a preservar integralmente a mata e a biodiversidade local", prossegue em seu raciocínio. "Sob essas condições, por que não vender a Amazônia?", questiona.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

"Parece bem melhor do que aquilo que o governo está trazendo hoje à região, que são destruição ambiental, riscos sociais e sanitários para as populações mais vulneráveis e má fama internacional", afirma.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Quero ser membro. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cortes 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email