Daniel Gullino, do Globo, foi o jornalista que motivou o novo crime de responsabilidade de Jair Bolsonaro

Ao questioná-lo por que Fabrício Queiroz depositou R$ 89 mil nas contas de Michelle Bolsonaro, repórter recebeu uma ameaça física de Jair Bolsonaro, o que configura quebra de decoro e crime de responsabilidade, passível de impeachment

(Foto: Divulgação)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Da Agenda do Poder – O jornalista de O Globo agredido hoje pelo presidente Jair Bolsonaro é Daniel Gullino.

Em cumprimento de sua obrigação profissional, ele tentou extrair um comentário do presidente sobre os depósitos de Fabrício Queiroz na conta da primeira-dama Michelle, num montante de R$ 89 mil. À indagação, Bolsonaro retrucou grosseiramente: “Vontade que tenho é encher sua boca de porrada”.

Após a agressão ignóbil, o repórter perguntou se o presidente estaria o ameaçando, mas não obteve resposta.

Gullino já teve outros dissabores na cobertura presidencial. Em 4 de março, ele era um dos jornalistas que estava de plantão na saída do Alvorada, onde Bolsonaro protagonizou uma das cenas mais patéticas de seu governo. Transferiu ao humorista Márvio Lúcio, o Carioca, a tarefa de responder às perguntas sobre o pífio resultado do PIB, divulgado na véspera.

Na ocasião, Gullino comentou em suas redes sociais: “Bolsonaro colocou um humorista para oferecer bananas a jornalistas e para responder perguntas. Tentamos fazer perguntas a Bolsonaro. Como ele não quis responder, viramos as costas e fomos embora”, relatou no twitter.

Nesse domingo, entretanto, Daniel Gullino não comentou o episódio de agressão de que fora vítima.

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247