DCM: Moro ‘flopou’ e deixou sensação de justiça injusta

Juiz da Lava Jato "jamais" deu à investigação da Petrobras "uma coloração apartidária" e por isso "fica a sensação que o principal alvo não é exatamente a corrupção, mas o PT e o governo Dilma", escreve Paulo Nogueira, do Diário do Centro do Mundo; para ele, a prisão do tesoureiro do PT "no mesmo dia em que a esquerda marcara protestos contra a terceirização lança ainda mais sombras sobre a isenção de Moro"

Juiz da Lava Jato "jamais" deu à investigação da Petrobras "uma coloração apartidária" e por isso "fica a sensação que o principal alvo não é exatamente a corrupção, mas o PT e o governo Dilma", escreve Paulo Nogueira, do Diário do Centro do Mundo; para ele, a prisão do tesoureiro do PT "no mesmo dia em que a esquerda marcara protestos contra a terceirização lança ainda mais sombras sobre a isenção de Moro"
Juiz da Lava Jato "jamais" deu à investigação da Petrobras "uma coloração apartidária" e por isso "fica a sensação que o principal alvo não é exatamente a corrupção, mas o PT e o governo Dilma", escreve Paulo Nogueira, do Diário do Centro do Mundo; para ele, a prisão do tesoureiro do PT "no mesmo dia em que a esquerda marcara protestos contra a terceirização lança ainda mais sombras sobre a isenção de Moro" (Foto: Gisele Federicce)
Siga o Brasil 247 no Google News

247 – O juiz Sérgio Moro, responsável pela Operação Lava Jato, "flopou" – verbo aportuguesado que vem de "flop", fracasso em inglês. A declaração é de Paulo Nogueira, do Diário do Centro do Mundo. Para ele, "acabou trazendo ainda mais divisão a um país que já estava suficientemente dividido".

"Ele jamais deu à Lava Jato uma coloração apartidária, assim como Joaquim Barbosa e o STF, um pouco atrás, para o Mensalão. Mais uma vez, fica a sensação que o principal alvo não é exatamente a corrupção, mas o PT e o governo Dilma. E disso resulta a percepção, entre tantos brasileiros, de uma justiça injusta, simbolizada há algum tempo em JB e agora em Moro", escreve Nogueira.

Ele cita, por exemplo, que "só agora, muito depois das eleições, é que se soube que o doleiro Youssef citou Aécio e sua irmã no jamais investigado Caso Furnas". O jornalista acrescenta que a prisão de João Vaccari, agora, "no mesmo dia em que a esquerda marcara protestos contra a terceirização – lança ainda mais sombras sobre a isenção de Moro".

Leia aqui a íntegra no DCM.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

PUBLICIDADE

Cortes 247

PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email