DCM: por que o STF ainda não afastou Cunha?

Jornalista Paulo Nogueira, do Diário do Centro do Mundo, questiona o fato do Supremo Tribunal Federal (STF) ainda não ter apreciado o afastamento do presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), após vários meses das denúncias de corrupção contra ele virem à tona; segundo ele,a lentidão reforça aa tese de que "reformar a Justiça é tão imperioso quanto reformar o sistema político, como demonstra a lentidão criminosa como foi tratado o pedido de afastamento de Eduardo Cunha"

Jornalista Paulo Nogueira, do Diário do Centro do Mundo, questiona o fato do Supremo Tribunal Federal (STF) ainda não ter apreciado o afastamento do presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), após vários meses das denúncias de corrupção contra ele virem à tona; segundo ele,a lentidão reforça aa tese de que "reformar a Justiça é tão imperioso quanto reformar o sistema político, como demonstra a lentidão criminosa como foi tratado o pedido de afastamento de Eduardo Cunha"
Jornalista Paulo Nogueira, do Diário do Centro do Mundo, questiona o fato do Supremo Tribunal Federal (STF) ainda não ter apreciado o afastamento do presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), após vários meses das denúncias de corrupção contra ele virem à tona; segundo ele,a lentidão reforça aa tese de que "reformar a Justiça é tão imperioso quanto reformar o sistema político, como demonstra a lentidão criminosa como foi tratado o pedido de afastamento de Eduardo Cunha" (Foto: Paulo Emílio)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - O jornalista Paulo Nogueira, do Diário do Centro do Mundo, questiona o fato do Supremo Tribunal Federal (STF) pelo fato de ainda não ter apreciado o afastamento do presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), após vários meses das denúncias de corrupção contra ele virem à tona.

O jornalista relembra que o pedido de afastamento de Cunha foi feito pelo procurador-geral da República, Rodrigo Janot, em 15 de dezembro do ano passado e que "a reivindivação foi entregue ao ministro Teori Zavascki. Quatro meses depois, uma eternidade para os padrões de turbulência destes dias, Teori ousou dizer que não há prazo ainda para a avaliação do caso Cunha". "Não há explicação possível para tamanha agressão à lógica e para tamanho dano ao Brasil", completa.

Para Nogueira, diante desta procrastinação "reformar a Justiça é tão imperioso quanto reformar o sistema político, como demonstra a lentidão criminosa como foi tratado o pedido de afastamento de Eduardo Cunha".

Leia aqui ou abaixo a íntegra do texto.

Uma pergunta para a posteridade responder: por que o STF não julgou o pedido de afastamento de Cunha?

Algumas perguntas só a posteridade poderá – talvez – responder.

Uma é já clássica: como, sob provas esmagadoras de achaques e roubalheiras, Eduardo Cunha comandou – e manipulou – todo o processo de impeachment na Câmara dos Deputados?

O resultado dessa aberração foi a histórica sessão da Câmara que desmoralizou os deputados federais não apenas perante os brasileiros, mas diante do mundo.

Uma segunda pergunta, não menos vital, é esta: o que o STF tinha de tão importante para fazer, nestes meses todos, para não encontrar tempo para apreciar o pedido de afastamento de Eduardo Cunha da presidência da Câmara?

A saída de Cunha foi pedida ao STF em 15 de dezembro passado pelo procurador geral Janot. A reivindivação foi entregue ao ministro Teori Zavascki. Quatro meses depois, uma eternidade para os padrões de turbulência destes dias, Teori ousou dizer que não há prazo ainda para a avaliação do caso Cunha.

É uma loucura, é uma insanidade, é uma estupidez, é uma irracionalidade. E é uma bofetada na sociedade. Os eminentes ministros têm, por acaso, alguma coisa de maior relevância para avaliar do que um assunto que não apenas paralisou o país como dividiu em duas a sociedade?

Não há explicação possível para tamanha agressão à lógica e para tamanho dano ao Brasil.

Observe a agenda do STF. Tente achar qualquer coisa mais preciosa e urgente do que o caso Cunha.

Não poderia haver propaganda pior contra o STF e contra o Judiciário do que a morosidade indefensável com que ela tratou o pedido de afastamento de Cunha.

É como uma equipe médica que espera o paciente morrer para tomar alguma atitude que poderia salvá-lo.

Ver Eduardo Cunha julgado está e estava faz tempo longe de ser um anseio petista e da esquerda. Mesmo os analfabetos políticos que saem às ruas de camisa amarela não suportam mais ver Cunha em gozo de extrema tranquilidade depois de ter feito tudo o que fez e faz.

Uma absoluta falta de transparência na montagem da agenda contribuiu para que o STF arrastasse à exaustão uma decisão sobre um assunto tão premente para o país.

Num mundo menos imperfeito que o nosso, o presidente do STF viria a público dar satisfações sobre o caso Cunha.

Sobretudo, diria quando os juízes iriam julgar o pedido de afastamento, e explicaria a razão da data. Não no português ridículo e pomposo em que se expressam os eminentes juízes, mas em linguagem acessível a todos.

Num livro que li sobre a Suprema Corte Americana, uma autoridade diz que não existe decisão mais importante para um presidente do que a escolha de um juiz para compô-la.

Fica brutalmente exposta a inépcia dos presidentes que escolheram os juízes que formam nossa Suprema Corte, descontadas as raras exceções.
Não é apenas o poder político que se mostrou putrefato nesta crise. Também o Judiciário provou não estar à altura de um país que aspira a ser civilizado.

Reformar a Justiça é tão imperioso quanto reformar o sistema político, como demonstra a lentidão criminosa como foi tratado o pedido de afastamento de Eduardo Cunha.

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247