DCM: Roberto Civita foi o homem que partidarizou a mídia nacional

“Pouco depois da posse de Lula, em 2003, a Veja de ROberto Civita abandonou o jornalismo para se transformar num instrumento de propaganda do antipetismo fanático. Segundo o jornalista Ricardo Kotscho, que participou da primeira equipe de Lula, o motivo da atitude de RC foi o dinheiro”, diz Paulo Nogueira, do DCM; ele cita, neste processo, o então diretor de redação, Eurípides Alcântara, e os colunistas: Diogo Mainardi, na edição impressa, e Reinaldo Azevedo, no site; “Mainardi e Azevedo inauguraram a era do jornalismo patronal e plutocrático na Veja. O maior talento de ambos era e é atacar sistematicamente Lula e o PT”

“Pouco depois da posse de Lula, em 2003, a Veja de ROberto Civita abandonou o jornalismo para se transformar num instrumento de propaganda do antipetismo fanático. Segundo o jornalista Ricardo Kotscho, que participou da primeira equipe de Lula, o motivo da atitude de RC foi o dinheiro”, diz Paulo Nogueira, do DCM; ele cita, neste processo, o então diretor de redação, Eurípides Alcântara, e os colunistas: Diogo Mainardi, na edição impressa, e Reinaldo Azevedo, no site; “Mainardi e Azevedo inauguraram a era do jornalismo patronal e plutocrático na Veja. O maior talento de ambos era e é atacar sistematicamente Lula e o PT”
“Pouco depois da posse de Lula, em 2003, a Veja de ROberto Civita abandonou o jornalismo para se transformar num instrumento de propaganda do antipetismo fanático. Segundo o jornalista Ricardo Kotscho, que participou da primeira equipe de Lula, o motivo da atitude de RC foi o dinheiro”, diz Paulo Nogueira, do DCM; ele cita, neste processo, o então diretor de redação, Eurípides Alcântara, e os colunistas: Diogo Mainardi, na edição impressa, e Reinaldo Azevedo, no site; “Mainardi e Azevedo inauguraram a era do jornalismo patronal e plutocrático na Veja. O maior talento de ambos era e é atacar sistematicamente Lula e o PT” (Foto: Roberta Namour)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 – Para Paulo Nogueira do DCM, o barão que liderou o processo de partidarização da imprensa foi Roberto Civita, da Editora Abril.

“Pouco depois da posse de Lula, em 2003, a Veja de RC abandonou o jornalismo para se transformar num instrumento de propaganda do antipetismo fanático. Segundo o jornalista Ricardo Kotscho, que participou da primeira equipe de Lula, o motivo da atitude de RC foi o dinheiro”, diz.

Ele afirma que alguns movimentos na redação foram marcantes na transformação da Veja. Ele cita o então diretor de redação, Eurípides Alcântara, “que nasceu para obedecer e não para mandar. Era exatamente isto que Roberto Civita queria para a Veja. O que ele menos desejasse era alguém que o desafiasse.”

E também dois colunistas: Diogo Mainardi, na edição impressa, e Reinaldo Azevedo, no site. “Mainardi e Azevedo inauguraram a era do jornalismo patronal e plutocrático na Veja. O maior talento de ambos era e é atacar sistematicamente Lula e o PT” (leia aqui).

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247