Deltan diz que 'o pessoal pediu pra não comentar' decisão de Fux. "Que pessoal?", pergunta editor do Intercept

Áudio do procurador Deltan Dallagnol comemorando decisão do ministro do STF Luiz Fux que impediu que Lula desse entrevista revela que alguém pediu segredo para a informação antecipada ao coordenador da força-tarefa. Quem teria sido é a pergunta colocada pelo jornalista Leandro Demori

Leandro Demori Deltan Dallagnol
Leandro Demori Deltan Dallagnol
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - O primeiro áudio da série de vazamentos divulgados pelo site The Intercept é do procurador Deltan Dallagnol, que comemora, em um grupo do aplicativo Telegram com outros procuradores da Operação Lava Jato, a decisão do ministro do STF Luiz Fux que impediu o ex-presidente Lula de conceder uma entrevista à jornalista Mônica Begamo, da Folha de S.Paulo, durante a campanha presidencial em 2018.

O áudio traz ainda outra revelação: a de que alguém pediu segredo sobre a decisão, que ainda não era pública, mas que fora antecipada a Dallagnol. "Vamos manter, ficar quieto, pra evitar a divulgação o quanto for possível. O pessoal pediu pra gente não comentar aí publicamente, deixar que a notícia surja por outros canais", disse Dallagnol.

Editor do Intercept, o jornalista Leandro Demori questiona no Twitter: "Deltan manda um áudio falando sobre a decisão do Fux de barrar entrevista de Lula à @monicabergamo. Para ele, naquele momento, a decisão ainda não é pública. Tanto que pede SEGREDO. E diz: "...o pessoal pediu pra gente não comentar publicamente...". Que pessoal?"

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247