Deputada entra com ação contra Sheherazade

Jandira Feghali (PCdoB) entrou com representação na Procuradoria-geral da República contra a jornalista Rachel Sheherazade e o SBT por “incorrerem no crime de apologia e incitamento ao crime, à tortura e ao linchamento, tipificado no art. 287″ do Código penal, ao defender ação dos agressores de um jovem suspeito de assalto; ela pede, entre outras coisas, a suspensão do repasse de verbas oficiais ao Sistema brasileiro de Comunicações enquanto perdurar o inquérito

Jandira Feghali (PCdoB) entrou com representação na Procuradoria-geral da República contra a jornalista Rachel Sheherazade e o SBT por “incorrerem no crime de apologia e incitamento ao crime, à tortura e ao linchamento, tipificado no art. 287″ do Código penal, ao defender ação dos agressores de um jovem suspeito de assalto; ela pede, entre outras coisas, a suspensão do repasse de verbas oficiais ao Sistema brasileiro de Comunicações enquanto perdurar o inquérito
Jandira Feghali (PCdoB) entrou com representação na Procuradoria-geral da República contra a jornalista Rachel Sheherazade e o SBT por “incorrerem no crime de apologia e incitamento ao crime, à tortura e ao linchamento, tipificado no art. 287″ do Código penal, ao defender ação dos agressores de um jovem suspeito de assalto; ela pede, entre outras coisas, a suspensão do repasse de verbas oficiais ao Sistema brasileiro de Comunicações enquanto perdurar o inquérito (Foto: Roberta Namour)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - A deputada federal Jandira Feghali (PCdoB) acionou a Procuradoria-geral da República contra a jornalista Rachel Sheherazade. Segundo representação, Rachel “e o SBT incorreram no crime de apologia e incitamento ao crime, à tortura e ao linchamento, tipificado no art. 287″ do Código penal, ao defender ação dos agressores de um jovem suspeito de assalto. Ele foi amarrado em um poste sem provas ou indícios de crime.

Segundo Clarissa Oliveira, do Poder Online, Jandira pede, entre outras coisas, “a suspensão do repasse de verbas oficiais ao Sistema brasileiro de Comunicações enquanto perdurar o inquérito e a respectiva persecução penal, e que ela comine, em caso de condenação, pena administrativa de vedação de tais repasses, bem como a análise da própria concessão, por inidoneidade daquela empresa concessionária de serviço público”.

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

WhatsApp Facebook Twitter Email