CONTINUA APÓS O ANÚNCIO
Mídia

"Deu-se a tragédia"

Assim a colunista Dora Kramer enxerga a eleição de Renan Calheiros para a presidência do Senado, lembrando uma frase de um velho coronel alagoano

"Deu-se a tragédia"
CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

✅ Receba as notícias do Brasil 247 e da TV 247 no canal do Brasil 247 e na comunidade 247 no WhatsApp.

247 - "Deu-se a tragédia". Assim falava um coronel alagoano, depois de mandar matar seus adversários. E é assim, também, que Dora Kramer, colunista do Estadão, enxerga a eleição de Renan Calheiros (PMDB/AL) como presidente do Senado. Leia abaixo:

Tempo de Murici - DORA KRAMER

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO
 
O Estado de S.Paulo - 02/02

O senador Renan Calheiros conhece a história. Havia lá nas Alagoas de sua Murici natal um chefe político do interior ("coronel Elísio") violento no gesto e ameno na palavra que depois de mandar matar seus desafetos comunicava assim o fato consumado aos chefiados: "Deu-se a tragédia".

Assassinado o decoro ontem às 14h30, deu-se a tragédia no Senado, que agora terá de conviver com um presidente moralmente baleado e por dever de ofício emprestar-lhe reverência.

O ato da eleição em si foi relativamente simples. Bastou que o candidato se mantivesse escondido, que o PMDB lhe desse abrigo, que o vice-presidente da República fizesse papel de seu porta-voz, que o governo compactuasse e que a maioria das excelências (56 em 81) a ele se igualasse.

O complicado vem agora. Salvo apodrecimento precoce que interrompa o percurso, serão dois anos durante os quais não há a menor chance de as coisas melhorarem por lá, não obstante pior pareça impossível.

O Senado não terá um presidente por inteiro. Será permanentemente cobrado pelas denúncias que o envolvem e podem em breve transformá-lo em réu no Supremo Tribunal Federal.

Provavelmente Calheiros até tenha a intenção de fazer uma "gestão belíssima", como disse seu correligionário Michel Temer.

Candidato calado até aquele momento, ele iniciou seu discurso exaltando o valor do "debate". Falou em "eixos", "gestão eficiente", "transparência", "modernidade", "banco de dados" e por aí foi no palavrório de burocrata sem triscar de leve sequer no problema de fato: os fatos que desqualificam o Congresso que a partir de agora preside.

Lançou mão de um verniz defendendo a "liberdade de expressão" e a ética "como obrigação"; disse que o Congresso "é sócio da crise" geral dos parlamentos, mas transitou ao largo das razões do estrago específico. Nada que lhe crie dificuldades, pois se o Senado quisesse mesmo sair do fosso teria feito uma escolha mais decente.

iBest: 247 é o melhor canal de política do Brasil no voto popular

Assine o 247,apoie por Pix,inscreva-se na TV 247, no canal Cortes 247 e assista:

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

Cortes 247

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO
CONTINUA APÓS O ANÚNCIO