Diretor da Abril no HSBC fala em deixar o Brasil

Num artigo melancólico, o jornalista José Roberto Guzzo, membro do conselho editorial da Abril que aparece na lista do Swissleaks, faz um lamento existencial sobre o fato de morar no Brasil; segundo ele, o "Tesouro Nacional transformou-se em patrimônio particular de quem manda no governo"; ele diz ainda que "o Brasil é um país ruim para educar os filhos"; depois do chororô, ele afirma, no entanto, que mesmo num país de "Primeiro Mundo", como a Alemanha, ninguém está a salvo, citando o caso da Germanwings, em que um piloto suicida matou 150 pessoas; "é uma ilusão pretensiosa achar que basta viver num grande país para livrar-se da precariedade da existência humana"

Num artigo melancólico, o jornalista José Roberto Guzzo, membro do conselho editorial da Abril que aparece na lista do Swissleaks, faz um lamento existencial sobre o fato de morar no Brasil; segundo ele, o "Tesouro Nacional transformou-se em patrimônio particular de quem manda no governo"; ele diz ainda que "o Brasil é um país ruim para educar os filhos"; depois do chororô, ele afirma, no entanto, que mesmo num país de "Primeiro Mundo", como a Alemanha, ninguém está a salvo, citando o caso da Germanwings, em que um piloto suicida matou 150 pessoas; "é uma ilusão pretensiosa achar que basta viver num grande país para livrar-se da precariedade da existência humana"
Num artigo melancólico, o jornalista José Roberto Guzzo, membro do conselho editorial da Abril que aparece na lista do Swissleaks, faz um lamento existencial sobre o fato de morar no Brasil; segundo ele, o "Tesouro Nacional transformou-se em patrimônio particular de quem manda no governo"; ele diz ainda que "o Brasil é um país ruim para educar os filhos"; depois do chororô, ele afirma, no entanto, que mesmo num país de "Primeiro Mundo", como a Alemanha, ninguém está a salvo, citando o caso da Germanwings, em que um piloto suicida matou 150 pessoas; "é uma ilusão pretensiosa achar que basta viver num grande país para livrar-se da precariedade da existência humana" (Foto: Leonardo Attuch)
Siga o Brasil 247 no Google News

247 - Um dos jornalistas citados no escândalo do HSBC, que envolve contas secretas na Suíça, o colunista José Roberto Guzzo, que é articulista de Veja e Exame, além de diretor da Abril, publicou, neste fim de semana um artigo melancólico em fala em deixar o Brasil.

"Se você é brasileiro, vive no Brasil em abril de 2015 e não desfruta de privilégios, é muito provável que já tenha ouvido algum de seus familiares, amigos o colegas dizer que, se tivesse a oportunidade, iria embora daqui o mais depressa possível. O Brasil de hoje, dizem, é um grande lugar para você desperdiçar a sua vida. (...) Sua vida, sua propriedade e seu bem-estar são ameaçados todos os dias. As chances de progresso pessoal estão cada vez mais limitadas. (...) O Tesouro Nacional transformou-se em patrimônio particular de quem manda no governo. O mérito pessoal é visto como um insulto, e a recompensa material por ele é tratada como um delito social. (...) O Brasil é um país ruim para educar os filhos. Aqui o homem mau dorme bem", afirma.

"Sabe-se o resumo dessa ópera: está na hora de trocar o Brasil por algum país civilizado do Primeiro Mundo, onde se garante o exercício da cidadania, os direitos de cada um são plenamente assegurados e os governos funcionam com eficácia, integridade e bom-senso", prossegue.

Quando o leitor imagina que Guzzo está prestes a anunciar sua mudança para Genebra, sede da agência do HSBC que está no centro do chamado 'Swissleaks', ele dá um giro de 180 graus. Cita o caso da Germanwings, em que um piloto suicida matou 150 pessoas, para dizer que nem no chamado "Primeiro Mundo" o homem bom está a salvo.

PUBLICIDADE

"É uma ilusão pretensiosa achar que basta viver num grande país para livrar-se da precariedade da existência humana. Ninguém pode escapar de si próprio, e do infinito risco de estar vivo, mudando de um lugar para outro", afirma.

PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

PUBLICIDADE

Cortes 247

PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email