"Estupro culposo" usado pelo MP no julgamento de André Aranha não existe e gera onda de indignação nas redes

A figura jurídica esdrúxula, utilizada pelo promotor Thiago Carriço no julgamento do crime de estupro cometido pelo empresário André de Camargo Aranha contra a blogueira Mariana Ferrer gerou revolta. A justiça "inventou um crime pra livrar o estuprador branco e rico", disse o Jornalistas Livres. Confira reações

Sentença de "estupro culposo" gera revolta na internet
Sentença de "estupro culposo" gera revolta na internet (Foto: USP - Reprodução)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - Internautas manifestaram indignação nas redes sociais com a decisão do juiz Rudson Marcos, da 3ª Vara Criminal de Florianópolis, após o magistrado absolver o empresário André de Camargo Aranha, de 43 anos, acusado de estuprar a blogueira Mariana Ferrer, de 22 anos, no tradicional clube da capital catarinense Cafe de La Musique. No processo, o Ministério Público do Estado (MPSC) alegou “falta de provas”.

"'Estupro culposo' nunca vai existir. Torturadores de mulheres, todos que concordam com isso", escreveu a cantora Zélia Duncan no Twitter. 

"Não existe estupro sem intenção!!! Isso é um absurdo", protestou o youtuber Felipe Neto na rede social. 

Segundo o ministro do Supremo Tribunal Federal Gilmar Mendes, "o sistema de Justiça deve ser instrumento de acolhimento, jamais de tortura e humilhação".

"O Brasil é 5º país que mais mata suas mulheres no mundo", destacou a líder indígena Sônia Guajajara na rede social. "Uma mulher é estuprada a cada 8 minutos", disse. "Não existe estupro culposo. Justiça para Mari Ferrer!".

Na mesma rede social, o perfil do Jornalistas Livres afirmou que a "justiça inventou um crime para livrar o estuprador branco e rico".

De acordo com a jornalista Marielle Ramires, que também é ativista, "uma decisão assim promove um novo estupro da vítima". "Toda solidariedade a Mari Ferrer".

O perfil 'Conecto pessoas através de livros na @winnieteca' afirmou que "a ideia de estupro culposo é mais uma forma de perversão do direito e de manutenção de hierarquias de poder".

 

 

 

 

 

 

 

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247