Eugênio Aragão: transferência direta para Itália agrava situação de Battisti

O ex-ministro da Justiça Eugênio Aragão afirma que a transferência direta de Cesare Battisti da Bolívia para a Itália, sem passagem pelo Brasil, agrava a situação do italiano; de acordo com Aragão, se Battisti fosse extraditado do solo brasileiro, "a prisão perpétua poderia ser substituída por trinta anos de detenção, com detração do período já cumprido, como determinou o STF"

Eugênio Aragão: transferência direta para Itália agrava situação de Battisti
Eugênio Aragão: transferência direta para Itália agrava situação de Battisti (Foto: Alessandro Dantas/PT no Senado)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - O ex-ministro da Justiça Eugênio Aragão afirma que a transferência direta de Cesare Battisti da Bolívia para a Itália, sem passagem pelo Brasil, agrava a situação do italiano. De acordo com Aragão, se Battisti fosse extraditado do solo brasileiro, "a prisão perpétua poderia ser substituída por trinta anos de detenção, com detração do período já cumprido, como determinou o STF".

A reportagem do jornal Folha de S. Paulo destaca que "agora, segundo Aragão, sem o cumprimento do processo formal de extradição a partir do Brasil, a Itália não fica mais restrita às condições impostas pelo Supremo e 'pode executar a prisão perpétua plenamente'."

A matéria ainda acrescenta que "parte da oposição viu no esforço do governo Bolsonaro para trazer Battisti de volta ao Brasil antes de extraditá-lo uma tentativa de exibir o italiano como troféu."

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247